POESIA

Alfredo Rossetti

 

Dia de chuva*

 

Tomei minha velha mala
e coloquei objetos.

 

Os que mais gosto lá foram: o pente
(de osso de javali),
um brigue em miniatura,
um vaso com limpa-viola,
um poema da Francisca Julia,
o mar de chapéu na foto de Tina Modotti,
uma folha de papel-de-seda
com uma lista de vacilos,
que remontam aos tempos do Old Parr.
Um sem número dessas coisas.

 

Antes de fechar a tampa,
não evitei que minha alma se enveredasse junto.

 

São ações nesses dias que,
quando acordamos,
sentimos que o destino,
inapelável, insatisfaz.

 

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br

 

 

Alfredo Rossetti, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet