DOCUMENTÁRIO

Filme preto e branco... e vermelho



galeano

Depois de ouvir Galeano no filme, é muito provável que o espectador saia do cinema com vontade de ler todas as obras do escritor

“Escrever é a única coisa que eu consigo mais ou menos. Então não posso viver sem escrever. Porque além do mais, eu gosto. Para mim não é um suplício escrever. Escrever é uma festa”, disse Eduardo Galeano, em uma entrevista em outubro de 2009, no jardim de sua casa. Naquele dia, o escritor uruguaio falou de sua profissão, vida, seus livros, as histórias que contou e as pessoas que cruzaram seu caminho. 

A entrevista, gravada em preto e branco, foi o ponto de partida para a produção do documentário "Eduardo Galeano Vagamundo", do diretor Felipe Nepomuceno, que teve  estreia mundial durante o 28º Cine Ceará, que acontece esta semana em Fortaleza.

O filme mescla trechos dessa entrevista com a leitura, por personalidades, de alguns de seus contos e crônicas latino-americanas. O ator argentino Ricardo Darín, o escritor moçambicano Mia Couto, o ator Paulo José, o artista plástico Francisco Brennand e o poeta Armando Freitas Filho são algumas delas.

darín

Ricardo Darín, ator argentino, presente no documentário

Assim como a entrevista, as únicas cores usadas no filme são o preto, o branco e, vez ou outra, o vermelho. E por trás dessa escolha, há uma explicação. “Me lembra muito a escultura de Oscar Niemeyer no Memorial da América Latina, em São Paulo”, disse Nepomuceno após a exibição. “O vermelho é como uma veia”. Nepomuceno se refere à escultura de concreto em forma de mão, mas que também é o formato do bloco dos países latino americanos, com uma faixa vermelha em referência ao sangue escorrendo. Ou à obra de Galeano "As veias abertas da América Latina". Ou aos dois.

As referências do documentário, porém, não têm como objetivo contar a história de vida do escritor, morto em abril de 2015, aos 74 anos. “Não tenho a pretensão de fazer um filme biográfico, sobre a vida dele”, disse o diretor. Talvez porque Nepomuceno fosse muito ligado ao escritor. Filho do jornalista Eric Nepomuceno, amigo de Galeano, Felipe cresceu muito próximo à família do escritor uruguaio. A proximidade inclusive fez com que uma das filhas de Galeano, Florência Hughes, estivesse presente na estreia. “Papai vivia a um metro e vinte de distância do chão”, metaforizou ela, no dia seguinte à exibição do filme, ao descrever a leveza e sintonia em que o pai vivia. “E gostava muito do silêncio”.

Não à toa, a ausência de som é parte do filme, que entre algumas frases - ou leituras - e outras, deixa uma lacuna para que o espectador possa assimilar o que acabou de ouvir. Algumas parecem vindas de bancos de imagem, mas, de fato, chamam à reflexão. De qualquer forma, o objetivo se cumpre: depois de ouvir Galeano em Eduardo Galeano Vagamundo, cujo nome já é uma homenagem a uma de suas obras, é muito provável que o espectador saia do cinema com vontade de ler todas as obras do escritor. Por enquanto, o filme não tem dada para estrear nos cinemas.

*Reproduzido de https://brasil.elpais.com

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet