LANÇAMENTO

Um olhar sobre a condição humana



manduca

guedes

Luiz Roberto Guedes transita entre a prosa e o verso e também ataca como tradutor

Poeta, escritor, cronista, tradutor e também letrista (sob o nome de Paulo Flexa), Luiz Roberto Guedes é um criador que não se encerra num único nicho. Autor atuante no campo da literatura juvenil, com definido gosto pelo fantástico, vem publicando numerosos títulos.

Para a juvenilidade, sua produção vai desde “Perdidos no trem fantasma”(1995), até “A saga do Gato do Negro” (2016). Guedes tem obras adotadas pelo PNBE (Plano Nacional Biblioteca na Escola), a exemplo de “Treze noites de terror” e “O livro das mákinas malukas”. 

A par de traduzir poetas e organizar antologias de conto e poesia, Guedes tem publicado sua obra adulta, a partir da novela histórica “O mamaluco voador” (Travessa dos Editores, 2006). Seus contos de “Alguém para amar no fim de semana” (Annablume, 2010), foram considerados pelo escritor Luiz Ruffato como “uma quase novela, de sabor pop”, devido às narrativas interligadas, protagonizadas por um Josué Peregrino, possível alter ego do autor.     

A coletânea seguinte, “Miss Tattoo — uma quase novela” (Jovens Escribas, 2016), foi descrita pelo crítico Alfredo Monte como uma “taxonomia do tiozão”, que abrangeria desde “tipos descolados (que circulam pela noite), até tipos introspectivos, voltados nostalgicamente para os anos 80. Monte assinala: “É incrível a leveza da prosa de Guedes. Ele escreve como um autor policial norte-americano. Entretanto, é uma falsa leveza, ainda que o leitor ache tudo fluente, jocoso e mordaz. (...) É amargura no fundo do riso, é o ácido no suco da laranjeira ”. Esse estilo seco e despojado também foi observado pelo poeta, tradutor e editor Vanderley Mendonça: “Guedes é poeta e, impressionantemente, não usa o artifício poético em seus livros para criar imagens batidas e surradas buscando emoção fácil no leitor”. 

Agora, Guedes lança “Como ser ninguém na cidade grande” (Editora Penalux), sua seleta de melhores contos, escritos nos últimos vinte anos, a maioria publicados anteriormente em livros, revistas e jornais literários, além de alguns inéditos. Para o escritor Roniwalter Jatobá, que assina a orelha do livro, essas dezoito narrativas propiciam uma multiplicidade de olhares sobre a cidade e seus viventes, refletindo “um testemunho do nosso tempo, numa prosa direta e repleta da condição humana”. A propósito, o escritor argentino Ricardo Piglia considera que “o êxito do artista é ser reconhecido pelos outros artistas”. (*com assessoria)

SERVIÇO

“Como ser ninguém na cidade grande” (Penalux), lançado em São Paulo nesta quarta (19), com contos de Luiz Roberto Guedes, tem 172 páginas.

Está disponível para a compra (R$ 40,00) no link http://editorapenalux.com.br/loja/como-ser-ninguem-na-cidade-grande

gue

 

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet