12ª MOSTRA

40 filmes serão exibidos



elogio

"Repense o Elogio", na quarta (28), às 16h

Com programação gratuita, entre os dias 27/11 e 02/12, Cuiabá recebe a 12ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos. O festival acontece nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal. Na capital mato-grossense o evento vai acontecer no Sesc Arsenal.

O tema do evento neste ano remete aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos. E homenageia o ator e diretor Milton Gonçalves, que completa 85 anos em dezembro deste ano.

Ao todo, serão exibidos 40 filmes, que se dividem em quatro mostras: Temática, Panorama, Mostrinha (público infantojuvenil), e Homenagem, dedicada às produções que integram a trajetória fílmica do artista celebrado.

Na abertura (27) a largada da maratona audiovisual acontece a partir das 19h.

Os filmes em cartaz abordam temáticas como memória e verdade, questões de gênero, população negra, população indígena, população LGBT, imigrantes, direito das pessoas com deficiência, direito da criança, direito dos idosos, direito da mulher, direito à saúde, direito à educação, diversidade religiosa e meio ambiente.

Para permitir a acessibilidade, todas as sessões contam com closed caption, que contempla deficientes auditivos. E em sessões selecionadas haverá áudio descrição e Libras. Os espaços onde ocorrem as exibições também possuem estrutura acessível para receber os diferentes públicos, além de contar com a programação em Braille para consulta.

A iniciativa é do Ministério dos Direitos Humanos (MDH), com realização do Instituto Cultura em Movimento (ICEM) e produção local de Keiko Okamura. 

Declaração Universal dos Direitos Humanos

O documento surgiu em 1948 como um grito de liberdade e o clamor por respeito, contra o fascismo e as milhões de mortes da 2ª Guerra Mundial. Segundo a Diretora de Promoção e Educação em Direitos Humanos do MDH, Juciara Rodrigues, a Mostra promove ações públicas que transcendem governos, por isso já está em sua 12ª edição.

“Trata-se de uma revolução silenciosa e maravilhosa. Vai até as pessoas para mostrar a elas a importância de ser cidadão e do respeito ao próximo. Chega até elas levando educação amorosa e libertária, para que possam refletir qual o nosso papel no mundo. É uma forma de lutar e resistir a qualquer tipo de opressão, de objeção em relação ao exercício da nossa cidadania e direitos”, diz Juciara.

O homenageado

Com mais de 70 filmes no cinema, o ator e diretor é um dos mais prolíficos artistas do país. Presente nas telas e palcos desde a década de 50, participou da história da televisão, do teatro e do cinema brasileiros. Sua versatilidade dramática e seu talento venceram as barreiras que normalmente são impostas aos artistas negros no país; sua atuação no cenário político e sua militância pelos Direitos Humanos e contra o racismo, o tornam um desses artistas cuja trajetória precisa ser registrada e cuja história deve ser contada para os jovens.

galeano

"Eduardo Galeano Vagamundo", na quinta (29), às 18h

Programação completa

TERÇA-FEIRA (27/11) – ABERTURA – 19h 

Mostra Panorama

"Nós" (Thiago dos Santos Simas - livre - 6’) explora a questão dos imigrantes. O filme mostra a trajetória cíclica dos refugiados através dos tempos, uma reedição de acontecimentos passados

"Do outro lado" (Bob Yang e Frederico Evaristo - livre - 14’) tem seu foco na população LGBT. Na sinopse, às vésperas de uma importante decisão, a juíza da Corte Suprema de Taiwan recebe uma carta inesperada.

QUARTA-FEIRA (28/11) - 14h

Mostra Panorama

"A Rua Noiz" (Eduardo Cunha Souza e Pedro Cela - livre - 14’) discorre sobre cultura, educação e direitos humanos. O documentário trata das realidades enfrentadas dentro da periferia do Grande Bom Jardim, e de como uma mulher que aos 5 anos de idade vendia verduras e, aos 35, dirige a maior escola de dança de Fortaleza em número de atendidos.

"Enrolado na raiz" (Camila Caracol - livre - 23’) tem seu foco na população negra. Na sinopse, mulheres negras falam sobre as diferentes formas de violência física e simbólica que o racismo impõe cotidianamente sobre seus corpos. Desejos, sonhos, frustrações, traumas e enfrentamentos são expostos em falas que recuperam experiências da infância.

16h
Mostra Panorama

"Uma Bala" (Piero Sbragia - livre - 2') enfoca a realidade dos defensores dos direitos humanos. Na história, Marielle Franco foi assassinada em 14 de março de 2018. Quem matou Marielle? Quem mandou matar Marielle? O crime permanece sem solução! “Uma bala. Uma bala realmente abala. Abala, mas não cala. Quem batalha por igualdade!”

"Nomes que importam" (Muriel Alves e Angela Donini - livre -15’) trata da população LGBT. O filme que aborda a importância dos nomes sociais das pessoas trans. O curta-metragem nomes que importam revela as histórias que permeiam as escolhas dos nomes das travestis e transexuais que participam do filme. Por meio de depoimentos, o documentário aciona memórias afetivas.

"Repense o Elogio" (Estela Renner - livre - 48’) explora a questão de gênero. O documentário propõe a reflexão sobre a maneira como as crianças são elogiadas. Enquanto meninas são lindas, princesas e delicadas, meninos são fortes, inteligentes e corajosos. Até que ponto estes adjetivos aprisionam o verdadeiro ser de cada um? Este é um filme que reflete sobre o poder das palavras e da cultura, que trouxeram este desequilíbrio tão profundo na forma que elogiamos meninas e meninos.

18h
Mostra Temática

"Café com Canela" (Ary Rosa e Glenda Nicácio - 14 anos - 1h40’). Na sinopse, após perder o filho, Margarida (Valdinéia Soriano) vive isolada da sociedade. Ela se separa do marido Paulo e perde o contato com os amigos e pessoas próprias. Um dia, Violeta (Aline Brunne) bate à sua porta. Trata-se de uma ex-aluna de Margarida, que assume a missão de devolver um pouco de luz àquela pessoa que havia sido importante pra ela na juventude.

20h
Mostra Homenagem

Carandirú (Héctor Babenco - 16 anos - 2h26’). O filme é história baseada em fatos reais e no livro escrito pelo médico Drauzio Varella. Começa quando ele resolve fazer um trabalho de prevenção à AIDS no maior presídio da América Latina: a Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru, vítima de um dos dias mais negros da história do Brasil, quando a Polícia Militar do Estado de São Paulo, a pretexto de manter a lei e a ordem, fuzilou 111 pessoas. Ali, o médico toma contato com o que, aqui fora, temos até medo de imaginar: violência, superlotação, instalações precárias, falta de assistência médica e jurídica, falta de tudo. O Carandiru, com seus mais de sete mil detentos, merece sua fama de inferno na terra. Porém, nosso personagem logo percebe que, mesmo vivendo numa situação limite, os internos não representam figuras demoníacas. 

QUINTA-FEIRA (29/11) - 14h 

Mostra Panorama

"Era um garoto que como eu amava os Beatles e os Rolling Stones" (Elias Norberto da Silva, Juana Morais, José Guntin Rodrigues, Maurício Nunes e Sandro Livramento - livre - 25’) enfoca o direito da pessoa com deficiência. Na sinopse, a história da criação da banda “Os Goiabeiras”, da qual fazem parte três pessoas com deficiência: um paralisado cerebral e dois autistas.

"Nunca me sonharam" (Cacau Rhoden - livre - 1h20) aborda o direito à educação. O filme traz os desafios do presente, as expectativas para o futuro e os sonhos de quem vive a realidade do Ensino Médio nas escolas públicas do Brasil. Na voz de estudantes, gestores, professores e especialistas, Nunca me sonharam‟ reflete sobre o valor da educação.

16h
Mostra Panorama

"Outro Olhar" (Renata Sette - livre - 34’) explora o tema dos direitos da pessoa com deficiência. Narra a história da estudante gaúcha Renata Basso, que tem síndrome de Down e acaba de concluir o ensino médio, é o fio condutor de um retrato impressionante sobre a educação inclusiva no Brasil. Por meio de entrevistas com professores, colegas de lasse, familiares e a própria Renata, o filme mostra que o esforço coletivo torna possível oferecer uma aprendizagem de qualidade a estudantes especiais.

"Monocultura da Fé" (Joana Moncau e Gabriela Moncau - livre - 23’) tem o foco na população indígena. Como no resto do país, também entre os Guarani Kaiowáa igreja evangélica vêm ganhando espaço. O mini-documentário percorre aldeias do Mato Grosso do Sul para mostrar denúncias das cada vez mais frequentes violências cometidas por grupos evangélicos contra a população indígena.

"Waapa" (David Reeks, Paula Mendonça e Renata Meirelles - livre - 20’) também aborda as populações indígenas. Sinopse: O documentário propõe um mergulho inédito na infância Yudja (Parque Indígena do Xingu/MT) e os cuidados que acompanham seu crescimento. O brincar, a vida comunitária e as influências de uma relação espiritual com a natureza.

18h
Mostra Temática

"Eduardo Galeano Vagamundo" (Felipe Nepomuceno - livre - 1h12’) traz os amigos e profissionais do mundo artístico que contam a lembranças do escritor e jornalista uruguaio Eduardo Hughes Galeano, que faleceu em 2015. A trajetória de Galeano, autor do livro “As Veias Abertas da América Latina”, foi fortemente marcada pelo seu desejo de conhecer o mundo sempre buscando estar em contato com as belezas da vida.

rainha

"Rainha Diaba", na quinta (29), às 20h

20h
Mostra Homenagem

"Rainha Diaba" (Antonio Carlos de Fontoura - 18 anos - 1h50’). Na Lapa, Rio de Janeiro, Diaba (Mílton Gonçalves), um homossexual, comanda de um dos quartos de um bordel uma quadrilha responsável pelo controle de vários “pontos” de venda de droga. Sabendo que um dos seus homens de confiança está para ser preso, Diaba “fabrica” um novo marginal, para depois entregá-lo a polícia. Ela encarrega Catitu (Nélson Xavier), seu homem de confiança, de fazer isto. Catitu decide que o alvo será Bereco (Stepan Nercessian), um garotão cheio de si que é sustentado por Isa (Odete Lara), uma cantora de cabaré. Catitu atrai Bereco para um série de crimes e faz dele um “perigoso bandido”. Acontece que Bereco passa a acreditar nesta “fama”. Diaba começa a ter seu poder diminuído quando Bereco pretende controlar a venda das drogas e Catitu, por sua vez, deseja aumentar seu poder.

SEXTA-FEIRA (30/11) - 14h

Mostra Panorama

"Batuque Gaúcho (Sergio Valentim e Mestre Paraquedas (Eugênio Alencar) - livre - 26’) tem seu foco na diversidade religiosa. O Batuque Gaúcho é o nome dado a religião africana no Rio Grande do Sul, maior fenômeno religioso do Brasil, com cerca de 8 a 10 mil casas em todo o Estado. Mesmo assim, ainda é a que mais sofre preconceitos e está inviabilizada devido o racismo.

"As Sementes" (Beto Novaes e Cleisson Vidal - livre - 32’) desenvolve a temática ambiental. Na sinopse, Neneide fala sobre empoderamento feminino e como o grupo “Mulheres Decididas a Vencer” passou a trabalhar com abelhas num assentamento no Rio Grande do Norte. Izanete resiste ao agronegócio que ocupa extensas terras no Rio Grande do Sul, onde produz leite ecológico e pães para a merenda escolar. Para Efigênia, horta é terapia e o trabalho na roça em Minas Gerais, independência. Maria dos Santos recorda lutas pela posse da terra e igualdade de gênero e contra a desnutrição nas áreas quilombolas da Bahia. Quatro sementes da economia solidária, do cooperativismo, do feminismo, da agroecologia.

16h
Mostra Temática

"Sociedade etiquetada" (Helena Araújo - 12 anos - 5’) explora os direitos humanos. Traz Fernando, um homem gay, que vive em uma sociedade onde os rótulos sociais, que são dados a nos por outras pessoas, são vistos a olho nu, e ele tem que suportar o dia a dia dentro dessa sociedade cada dia mais cansado.

"Tente entender o que eu tento dizer" (Diego Paiva - 12 anos - 1h25) é centrado no direito à saúde. Um documentário sobre a força do coletivo e da militância na transformação das pessoas e de uma realidade marcada pelas barreiras impostas pelo HIV. Um contraponto à desinformação, o filme mostra que a vida é rica em possibilidades ao acompanhar a vida de 6 personagens soropositivos das mais variadas classes sociais, profissões, orientações sexuais e religiosas em seu cotidiano.

18h
Mostra Temática

"Henfil" (Angela Zoé - 12 anos - 1h14) é um documentário que registra proposta curiosa feita a uma turma de jovens animadores: tentar trazer para a atualidade as obras do cartunista, jornalista e ativista brasileiro Henrique de Souza Filho, o Henfil. Além desse processo, o filme traz depoimentos de amigos e revelações sobre como o artista hemofílico lidava com sua doença e utilizava seus desenhos como instrumento de luta contra a censura política de sua época.

20h
Mostra Homenagem

"O que é isso companheiro" (Bruno Barreto - 14 anos - 1h50) remete ao ano de 1964, quando um golpe militar derruba o governo democrático brasileiro e, após alguns anos de manifestações políticas, é promulgado em dezembro de 1968 o Ato Constitucional nº 5, que nada mais era que o golpe dentro do golpe, pois acabava com a liberdade de imprensa e os direitos civis. Neste período vários estudantes abraçam a luta armada, entrando na clandestinidade, e em 1969 militantes do MR-8 elaboram um plano para sequestrar o embaixador dos Estados Unidos para trocá-lo por prisioneiros políticos, que eram torturados nos porões da ditadura.

SÁBADO (01/12) - 14h 

Mostra Panorama

"Louise" (Andressa Fernandes, Amanda Gomes e Nathanael Cruz - livre - 5’) traz, na sinopse, uma brincadeira de futebol de rua entre quatro garotos e a bola é chutada para longe e caindo próxima a Louise e Bia. Juca corre para pegar a bola, percebe a habilidade das duas garotas para o futebol e as convida para brincar. Iago não aceita a participação delas mas Louise não quer ficar fora do jogo.

"A bicicleta do vovô" (Henrique Dantas - livre - 22’) serve para crianças e adultos. Aborda relação entre avô e neto. Em um lugar muito distante, O Reino do Sertão Pelejado, homens morcegos capturam lendas através de televisores. Surgem, então, o Super Tigre e o Mestre Conselheiro para salvar o nosso planeta das forças malignas da Feiticeira Mabá. É contando essas histórias que vô Rui transforma a infância do neto Cauê em um universo de aventuras e fantasias, re-significando símbolos através de um olhar mais lúdico sobre as coisas da vida.

"Menina de barro" (Vinicius Machado - 16 anos - 1h37) gira em torno do bullying. A jovem Diana é uma garota habilidosa e especial. Na aurora de seus 12 anos de idade já carrega uma bagagem de conhecimento e talento que se mostra difícil de lidar: ela traz a estigmatizada e dadivosa marca de ser superdotada. Ao mesmo tempo que busca “combater” o bullying em sua escola, Diana precisará estar pronta para enfrentar seus problemas de família, seu coração e uma fúria típica daqueles que não se contentam com a apatia alheia.

16h
Mostra Temática

"Histórias da fome no Brasil" (Camilo Tavares - livre - 52’) mostra uma cronologia da fome no país. Do Brasil Colônia, onde foram plantadas as sementes das desigualdades sociais, até as políticas públicas recentes que culminaram na saída do Brasil, em 2014, do Mapa da Fome divulgado pela ONU, retratamos como se deu o enfrentamento deste mal por parte da sociedade e do governo. A importância da superação da fome pode ser dimensionada quando consideramos que este flagelo perdurou durante séculos em nosso país e que até recentemente não se vislumbrava a história da crença de que ela era uma fatalidade que nunca reverteríamos, o filme nos aponta o pensamento daqueles que “nadaram contra a corrente”, como Josué de Castro, Dom Helder, Betinho e tantos outros, que acreditaram que a fome era um mal reversível, ocasionada pelos próprios homens e suas políticas.

18h
Mostra Temática

"Heróis" (Cavi Borges - livre - 1h10)  traz a judoca Rafaela Silva foi a primeira atleta da delegação brasileira a ganhar uma medalha de ouro nas Olimpíadas do Rio em 2016, levando toda nação as lágrimas. Popople Misenga, o congolês convidado a participar da delegação composta por refugiados, fez o mesmo. Além disso, como esquecer de Rogério Sampaio e o ouro no mesmo esporte durante as Olimpíadas de Barcelona em 1992. A partir de uma abordagem heroica, a carreira desses desportistas é transformada em filme.

Mostra Panorama

"Rua das casas surdas" (Gabriel Mayer e Flavio Costa - 16 anos - 8’) enfoca o binômio memória e verdade. Na sinopse, em uma vizinhança silenciosa, durante a ditadura nos anos 70, Carlos e Ernesto aproveitam o intervalo do jogo no rádio para voltar ao trabalho.

"Marcos Medeiros – Codinome Vampiro" (Vicente Duque Estrada - 16 anos -1h11’) também explora memória e verdade. O documentário apresenta Marcos Medeiros, um personagem esquecido da nossa história que foi líder estudantil em 1968. Preso, torturado, cassado e exilado na Europa, Marcos começou a se dedicar ao cinema, tendo feito curtas com Chris Marker na França, um longa com Glauber em Cuba, e depois trabalhado na Itália com Rosselini. de volta ao Brasil, nos anos 80, com a anistia, Marcos inicia um trabalho pioneiro em vídeo, mas não encontra um espaço para viabilizar sua arte que não se identificava com o mainstream. A incapacidade de se inserir numa sociedade burguesa e sem utopias leva Marcos à depressão. Morre em 1997 depois de uma longa internação no Pinel.

20h 
Mostra Homenagem

"Lúcio Flávio, O passageiro da agonia" (Hector Babenco - 16 anos - 1h58’) enfoca as ligações entre ladrões e policiais. Lúcio Flávio é um bandido famoso que empreende fugas e ações espetaculares. Seu bando é trazido por um detetive que acobertava suas ações, que acaba sendo denunciado por Lúcio numa reunião com a imprensa. É oferecido um passaporte para fugir do país e não denunciar o policial; entretanto ao saber que seu irmão foi morto, ele recusa. Ao voltar para sua cela, é executado à facadas.

fiu

"Chega de Fiu Fiu", no domingo (02/12), às 18h

DOMINGO (02/12)  - 16h 

Mostra Panorama

"O começo da vida" (Estela Renner - livre - 1h47) aborda o direito da criança. O filme destaca que um dos maiores avanços da neurociência é ter descoberto que os bebês são muito mais do que uma carga genética. O desenvolvimento de todos os seres humanos encontra-se na combinação da genética com a qualidade das relações que desenvolvemos e do ambiente em que estamos inseridos. 

18h
Mostra Panorama

"Narrativas de um crime" (Alison Zago - 16 anos - 15’) é centrado no combate a violência e LGBT. Na trama, Constantin, um investigador da Polícia Civil e aspirante a escritor, está em busca de uma boa história. Paulo, um Policial Militar, acaba de voltar de um período de suspensão da corporação em que trabalha. Os diferentes pontos de vista de Constantin e Paulo colidem quando eles se cruzam numa cena de um crime: uma jovem drag queen foi brutalmente assassinada. O conflito entre eles desconstrói preconceitos e flerta com a tragédia, revelando uma dura realidade repleta de ironias, lágrimas e sangue.

"Um Café e quatro segundos" (Cristiano Requião - 16 anos - 15’) vai pelo tema memória e verdade. Dois torturadores se encontram para tomar um café depois de mais de trinta anos sem se verem, para acertarem contas daquela época.

"Lacerda – O Corvo da Guanabara" (Sayd Mansur - 16 anos - 15′) também explora memória e verdade. O filme reconstitui a trajetória de Carlos Lacerda, ex-governador da Guanabara e líder radical da UDN em formato cine-jornal, visando iluminar sua participação direta em conspirações e tentativas de golpe em momentos chave da história do Brasil.

"À espera" (Nivaldo Vasconcelos e Sonia Andre - 14 anos - 22’) combina temas como o direito da criança e adolescente e a questão de gênero. Em Moçambique, 39% de meninas se casam antes dos 15 anos com homens mais velhos que elas, fazendo com que o país se encontra em 10 lugar entre os países mais afetados pelos casamentos prematuros, negando seus direitos como o da Educação e de serem o que elas quiserem.

"Chega de Fiu Fiu" (Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão - 14 anos - 1h13) explora a questão de gênero. Na sinopse, o dia a dia de três mulheres com vidas distintas, mostrando como a violência de gênero é constantemente praticada no espaço público urbano. Dessa forma, as diretoras procuraram especialistas para discutir sobre o assunto, buscando encontrar respostas e alternativas para a uma questão fundamental: Será que as cidades foram feitas para as mulheres?

20h
Mostra Homenagem

"Eles não usam Black Tie" (Leon Hirszman - 14 anos - 2h14’) é um filme que debruça-se sobre os conflitos, contradições e anseios da classe trabalhadora no final dos anos 1970, na crise final da ditadura militar. Baseado em peça homônima de Gianfrancesco Guarnieri escrita duas décadas antes, o filme adota uma narrativa realista que situa, em pólos antagônicos, a esperança na ação coletiva e a aposta nas saídas individuais, como alternativa de vida para os trabalhadores. Em torno do conflito entre o pai sindicalista, Otávio (Guarnieri), e o filho alienado, Tião (Carlos Alberto Ricelli), constrói-se uma trama comovente que reflete os efeitos da luta pela sobrevivência no seio da família operária. Eles não usam black-tie cativou o público e a crítica, e recebeu vários prêmios, entre os quais se destaca o Leão de Ouro no Festival de Veneza de 1981. (*com assessoria)

nunca

"Nunca me sonharam", na quinta (29), às 14h

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet