PRÊMIO LATINOAMERICANO

Deliciosos recursos linguísticos e estilísticos



álvaro garcia

bordino

"Suponho que acabarei me curando desse borgeanismo extremo que tenho hoje em dia" (Franco Bordino)

“Muito surpreso”, confessa sem rodeios. Franco Bordino (Buenos Aires, 1989) nem se lembrava de ter enviado uma coletânea de poemas ao XVIII Prêmio Casa da América de Poesia. Há alguns anos vinha sendo um costume: de forma mecânica mandava livros a concursos que sistematicamente perdia. “Quando recebi o e-mail de que havia ganhado, tinha esquecido. Portanto foi uma surpresa e, depois, claro, uma grande alegria. Sobretudo pelas palavras que o júri dedicou ao meu livro.”

As palavras do júri, composto por personalidades como a poeta venezuelana Yolanda Pantin, descrevem Los Primeros Indicios como “um livro meditativo, cujas fontes líricas nos fazem recordar poetas como Jorge Luis Borges”. E fala de “um delicioso uso dos recursos linguísticos e estilísticos”. Embora tenha publicado algum poema solto em revistas argentinas, este é o primeiro livro que edita. Um grande primeiro passo, pois este prêmio costuma ser atribuído não a escritores estreantes, e sim a poetas com uma longa trajetória nas costas.

Em "Los Primeros Indicios" há dois poemas de tom elegíaco dedicados a Corbera, avó do poeta, que morreu há três anos. “Foi algo importante para mim, que tive sempre isso à flor da pele. A poesia serve para suportar esse luto”, conta Bordino em Madri. O fato é que uma melancolia geral envolve o conjunto premiado. Talvez muita melancolia do que se perdeu, para alguém com apenas 29 anos. “Sim, há um tom intimista, ou sentimental, que prepondera no poema”, reconhece. “Mas por uma questão de princípios: acredito que a poesia seja a palavra posta a serviço de comunicar sentimentos. Para contar fatos há a narrativa, e para expressar ideias há o ensaio. Sou um pouco tradicional nesse sentido, acredito nos gêneros literários”, desculpa-se, entre risos. “Respeito a essência de cada um deles.”

bordino

 

Presenças passadas e a melancolia do perdido vestem a coletânea, mas há uma terceira perna que vertebra o conjunto: a filosofia. “É uma fatalidade que tenha que haver filósofos no livro”, lamenta com um sorriso o jovem professor dessa disciplina, que intitula um poema como Sócrates e dedica versos a seu professor da matéria no ensino médio.

“Há ideias filosóficas que são lindas”, salienta. “Que inclusive expressam sentimentos. Há filósofos que são mais patéticos (no sentido de sentimentais) que intelectuais. Então, felizmente estudei filosofia. Se tivesse estudado medicina, a coisa estaria mais complicada.” Foi Walter D'Aloia, a quem dedica A Mi Antiguo Profesor, quem lhe passou seus primeiros livros de poemas: Oliverio Girondo, Vicente Huidobro. “Foram os primeiros poetas que me impressionaram, e são poetas que certamente têm um pano de fundo filosófico… quase metafísico. A filosofia e a literatura sempre foram para mim uma mesma coisa. Um mesmo motivo. Uma mesma maneira de pensar e de sentir.”

“Suponho que acabarei me curando desse borgeanismo extremo que tenho hoje em dia”

Versos do poema Arte Poética dizem: "(...) un poema / es una emoción desatada / entre duras y frías estructuras / que presiente el poeta, / y que el lector, / con prudente ignorancia, / ni busca ni comprende, / porque no las necesita“ [um poema / é uma emoção desatada / entre duras e frias estruturas / que pressente o poeta, / e que o leitor, / com prudente ignorância, / nem busca nem compreende, / porque não as necessita].

Existe hoje um leitor de poesia? “O leitor atual não coincide com o que esse poema descreve, porque descreve um leitor que simplesmente procura o gozo estético, o prazer da leitura”, opina Bordino. “Mas hoje em dia os leitores de poesia são todos poetas, e a poesia é uma coisa sectária. Há mais escritores que leitores de poesia”, lamenta.

Outra constante da coletânea (e que o emparelha com Borges) é a importância da vida tranquila e ordenada, da qual dão conta vários poemas. Em Elogio del Hábito escreve: "Dejo a otros los viajes, el afán de aventuras. / Yo prefiero los tenues placeres que da la constancia" [Deixo a outros as viagens, o afã de aventuras. / Eu prefiro os tênues prazeres que dá a constância”].

Há um elogio muito vívido à quietude (com perdão do paradoxo), às rotinas, aos rituais pausados. Teme Bordino que este prêmio, e o que vier depois, possa lhe tirar deles? “Não, não. A verdade é que o prêmio é muito honroso, e é uma mudança radical, mas não acredito que vá transformar minha vida. Não acredito que a fama de um poeta seja muito esmagadora. Pelo contrário, hoje mal é perceptível, e não sei quanto mais vai durar depois destes dias. Essa felicidade tranquila não se verá interrompida.”

Vida (literária) pela frente

Bordino confessa que estava disposto a continuar escrevendo com ou sem reconhecimento. “Escrever me dá prazer, independentemente de que o livro seja lido ou não. Estava disposto a escrever até o fim dos meus dias, mesmo que não recebesse nenhum prêmio, e acreditava que assim seria. Isto foi uma surpresa, mas é um presente, um extra. Vai além da literatura. É uma satisfação pessoal, mas as literárias as tenho escrevendo, ou lendo uma boa página, ou um bom poema”. Não por acaso, em Una Noche escreve: "Que me guarden el sino o la Deidad / de ambiciones aladas o grandiosas. / Sólo pido un innúmero rosario / de noches de trabajo literario" [Que me guardem o fado ou a Divindade / de ambições aladas ou grandiosas. / Só peço um inúmero rosário / de noites de trabalho literário].

E voltamos a Borges, uma influência inescapável que o júri destaca e que se destila nos poemas com rima mais férrea. “É o mais notório do livro, sua influência. É um autor que admiro muitíssimo, que por momentos identifico com a literatura e com o literário”, conta. “Já passei por esta etapa da paixão. Em algum momento toda a literatura foi "A Terra Devastada" de Eliot, ou o "Canto Geral" de Neruda. Suponho que acabarei me curando desse borgeanismo extremo que tenho hoje em dia. As maneiras e os estilos são bastante borgeanos”, considera. “Mas se o júri gostou da coletânea, não foi por estar influenciado por Borges, e sim apesar disso.”

“Há muitas influências, claro, mas a maior parte chega através de Borges. Não posso apontar outras influências, embora eu gostasse de poder fazê-lo.” Tem toda sua carreira pela frente para isso: um inúmero rosário de noites de trabalho literário. (*reproduzido de https://brasil.elpais.com)


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet