POESIA

Simin Behbahani

Graciosa aproximou-se
em um vestido de seda azul brilhante;
com um ramo de oliveira em sua mão
e muitos sinais de amarguras em seus olhos.
Chegando a ela, eu a cumprimentei,
E tomou suas mãos na minha: os pulsos podem
ainda ser sentidos em suas veias;
com vida seu oro ainda estava morno.
Mas você está sem vida, mãe!
Eu disse: Oh, há muitos anos você morreu!
Ninguém cheirou os seus bálsamos,
em nenhuma vestimenta foi envolvida.
De relance tomei em minhas mãos
o ramo de oliveira.

 

*Reproduzido de https://www.recantodasletras.com.br

 

Simin Behbahani (1927-2014), poetisa do Irã

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet