POESIA

Raymond Queneau

Poema para a posteridade*

 

"Esta noite,
e se eu escrevesse um poema para a posteridade?
Droga!
Que grande ideia

 

Me sinto confiante
Lá vou eu!
E, para a posteridade, eu digo:
Merda! Merda de novo!
Merda 3 vezes!
Sem dúvida, enganei a posteridade,
que esperava seu poema.

 

Então, acabou"

 

*Reproduzido de http://devaneiosinconscientes.blogspot.com

 

Raymond Queneau (1903-1976), poeta da França

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet