TRECHOS

Short movies*



A máscara

Um homem com uma máscara de gás na cara. O rosto disforme. Como se fosse um monstro. Ele faz depois os gestos de um chimpanzé. Põe as mãos curvadas e simula os pequenos saltos e movimentos do chimpanzé. O plano abre-se. Vemos para quem ele está a fazer aquilo. É para uma mulher. Uma mulher muito velha. Moribunda; ligada a várias máquinas e com soro a entrar no braço. Mesmo assim, a velha mulher sorri, primeiro; depois ri, ri muito, não consegue parar de rir. Só a vemos a rir, como se tivesse perdido o controlo.

A dança

Uma mulher e um homem, os dois completamente nus, dançam no meio de uma sala. Vemos os dois corpos muito juntos e escutamos a música, um tango lento, uma música de enamoramento. De qualquer maneira, nunca vemos os rostos, não percebemos qual o estado do espírito dos dois dançarinos. Estão nus e dançam. Ele segura na mão dela, ela deixa-se guiar pelos movimentos dele. Só ela tem um relógio de pulso; de resto, apenas dois corpos nus. A música termina. Vemos as costas do homem, as nádegas do homem, depois a nuca da mulher e depois os dois rostos neutros, aflitos — e subitamente, no momento exacto em que a música termina, escuta-se um enorme ruído: são aplausos, sim, mas o par parece estar com medo; não agradece.

A louca

Um fotógrafo tira fotografias a uma louca. O fotógrafo diz que nem o melhor actor consegue ter a expressividade do rosto de uma louca. E por isso não pára. Mesmo quando a louca diz não com a cabeça, não com a boca e, por fim, não com o dedo.

O rosto da  mulher

Uma mulher vê ao espelho uma parte do seu rosto. O espelho é do tamanho de uma carta de jogar e a mulher com ele só consegue ver pormenores: as sobrancelhas trabalhadas, muito finas, depois os lábios pintados, uma maquilhagem forte, exibicionista, os olhos muito abertos. Com o tamanho daquele espelho a mulher não consegue ver o seu rosto na totalidade, precisa de ajuda para isso. Do outro lado da mesa, vemos agora, está uma menina com um rosto que denuncia uma deficiência mental. A menina terá seis, sete anos e é ela que segura agora no pequeno espelho e o coloca a uma distância suficiente — de maneira a que a bela mulher possa ver o seu rosto por completo.

 

*Reproduzido de http://saopauloreview.com.br. Trechos que compõem o livro "Short movies" (Editora Dublinenses - 2011), no qual, o autor explora sua capacidade imagética traduzindo-a em palavras

tânia ribeiro

tavares

Gonçalo Tavares nasceu em Angola. É professor e escritor. Um virtuose da literatura contemporânea em língua portuguesa, colecionador de galardões poderosos

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet