POESIA

Timur Bék

Nihil*

 

Borra de café na xícara;
a emoção se assenta em mim.
À beira árida de minha ambição
seco a mão seca.

Não desejo e não quero
Este nada é só o meu.
Cobrem-me as pernas, braços
monte de cadáveres de mim mesmo.

Minha vida é uma posposição;
chega debaixo de mim, até que me escale,
correndo por meses,
lânguida guirlanda de cigarros.

Outrora soltei-me da pedra,
E hoje onde fica tanta água?
Sob as torturas estou secando;
leito ou rio fui eu?

 

*Reproduzido de http://www.candido.bpp.pr.gov.br, com tradução de Dániel Levente Pál

 

Timur Bék, poeta da Hungria

 


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet