CAPÍTULO

As cidades ocultas. 2.



Não é feliz, a vida em Raissa. Pelas ruas a gente caminha torcendo as mãos, ralha com as crianças que choram, apoia-se aos parapeitos sobre o rio de cabeça nas mãos, de manhã acorda de um mau sonho e começa logo outro. Entre as bigornas onde a toda a hora se esmaga os dedos com o martelo ou se pica com a agulha, ou nas colunas de números todos tortos dos registos dos negociantes e dos banqueiros, ou diante das filas de copos sobre o zinco dos balcões das tabernas, ainda bem que as cabeças baixas nos poupam a olhares turvos. Dentro das casas é pior, e nem é preciso entrar lá para sabê-lo: de Verão as janelas ressoam de brigas e de pratos quebrados.

E no entanto, em Raissa, a cada momento há uma criança que de uma janela ri a um cão que saltou sobre um alpendre para morder um bocado de massa que caiu a um pedreiro que do alto do andaime exclamou: — Alegria minha, deixa-me pintar-te! — a uma jovem taberneira que atravessa a pérgula com um prato de carne nas mãos, contente por servi-lo ao fabricante de chapéus de chuva que festeja um bom negócio, uma sombrinha de renda branca comprada por uma grande dama para se pavonear nas corridas, enamorada de um oficial que lhe sorriu ao saltar a última barreira, feliz ele mas mais feliz ainda o seu cavalo que voava sobre os obstáculos vendo voar no céu um francolim, feliz ave liberta da gaiola por um pintor feliz por tê-la pintado pena a pena com manchinhas vermelhas e amarelas na miniatura daquela página do livro em que diz o filósofo: "Mesmo em Raissa, cidade triste, corre um fio invisível que liga um ser vivo a outro por um instante e a seguir se desfaz, e depois torna a estender-se entre pontos em movimento desenhando novas rápidas figuras de modo que a cada segundo a cidade infeliz contém uma cidade feliz que nem sequer sabe que existe".


*Reproduzido do livro "As cidades invisíveis"

calvino

Italo Calvino (1923-1985) foi um dos mais importantes escritores italianos do século XX


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.04.18 18h40 » Valsa*
16.04.18 18h30 » Um Abraço Preso na Garganta*
14.04.18 18h00 » Chac Mool*
12.04.18 17h00 » Xibio*
10.04.18 18h00 » As babas do diabo*
08.04.18 17h23 » Jonas (Subjetivas - Urbanas)*
06.04.18 18h00 » História de uma letra
04.04.18 18h00 » Amanhã será outro dia*
02.04.18 19h00 » Missa de sétimo dia
29.03.18 19h00 » O novo advogado
27.03.18 18h30 » Memórias de uma Forca*
25.03.18 17h29 » Pequeno Pedinte*
23.03.18 17h30 » Dentro da noite*
21.03.18 17h30 » Maldita primavera*
19.03.18 17h30 » Angústia
17.03.18 17h30 » Furto de flor*
15.03.18 17h30 » Um ingrato*
13.03.18 17h30 » I love my husband*
11.03.18 17h22 » Orfeu*
09.03.18 17h30 » Romeu e Julieta

Agenda Cultural

  • Em Cartaz:
  • 9º Encontro Indígena
  • Dia: 17 de abril
  • Local: Museu de História Natural - Casa Dom Aquino
  • Informações: 3634 4858
Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet