CRÔNICA

Furto de flor*



Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava, e eu furtei a flor.

Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estava feliz. O copo destina-se a beber, e flor não é para ser bebida.

Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplarmos bem.

Sendo autor do furto, eu assumira a obrigação de conservá-la. Renovei a água do vaso, mas a flor empalidecia. Temi por sua vida. Não adiantava restituí-la no jardim. Nem apelar para o médico de flores. Eu a furtara, eu a via morrer.

Já murcha, e com a cor particular da morte, peguei-a docemente e fui depositá-la no jardim onde desabrochara. O porteiro estava atento e repreendeu-me.

– Que ideia a sua, vir jogar lixo de sua casa neste jardim!

 

*Reproduzido do livro "Contos plausíveis" (Editora José Olympio)

dru

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.04.18 17h56 » Na porta do cinema*
22.04.18 18h00 » As flores*
20.04.18 17h19 » Quando a mulher te trata como um homem*
18.04.18 18h40 » Valsa*
16.04.18 18h30 » Um Abraço Preso na Garganta*
14.04.18 18h00 » Chac Mool*
12.04.18 17h00 » Xibio*
10.04.18 18h00 » As babas do diabo*
08.04.18 17h23 » Jonas (Subjetivas - Urbanas)*
06.04.18 18h00 » História de uma letra
04.04.18 18h00 » Amanhã será outro dia*
02.04.18 19h00 » Missa de sétimo dia
29.03.18 19h00 » O novo advogado
27.03.18 18h30 » Memórias de uma Forca*
25.03.18 17h29 » Pequeno Pedinte*
23.03.18 17h30 » Dentro da noite*
21.03.18 17h30 » Maldita primavera*
19.03.18 17h30 » Angústia
17.03.18 17h30 » Furto de flor*
15.03.18 17h30 » Um ingrato*

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet