CRÔNICA

Furto de flor*



Furtei uma flor daquele jardim. O porteiro do edifício cochilava, e eu furtei a flor.

Trouxe-a para casa e coloquei-a no copo com água. Logo senti que ela não estava feliz. O copo destina-se a beber, e flor não é para ser bebida.

Passei-a para o vaso, e notei que ela me agradecia, revelando melhor sua delicada composição. Quantas novidades há numa flor, se a contemplarmos bem.

Sendo autor do furto, eu assumira a obrigação de conservá-la. Renovei a água do vaso, mas a flor empalidecia. Temi por sua vida. Não adiantava restituí-la no jardim. Nem apelar para o médico de flores. Eu a furtara, eu a via morrer.

Já murcha, e com a cor particular da morte, peguei-a docemente e fui depositá-la no jardim onde desabrochara. O porteiro estava atento e repreendeu-me.

– Que ideia a sua, vir jogar lixo de sua casa neste jardim!

 

*Reproduzido do livro "Contos plausíveis" (Editora José Olympio)

dru

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987)


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.07.18 18h10 » Selva Trágica
13.07.18 17h51 » A origem do mundo
11.07.18 18h00 » Anteontem, de manhã.
09.07.18 18h00 » O salário dos poetas
07.07.18 18h00 » Manhã Perdida
05.07.18 18h00 » O peixe de ouro
03.07.18 18h00 » Ema
01.07.18 18h00 » Capítulo I
29.06.18 17h51 » Joana
27.06.18 18h00 » O capote
25.06.18 18h00 » Caçando carneiros
23.06.18 18h00 » Conheceu, papudo!
21.06.18 18h00 » Pornô Chic
19.06.18 18h00 » Aurélia
17.06.18 18h00 » Pergunta final
15.06.18 17h53 » Ficções
13.06.18 18h00 » Madona dos Páramos
11.06.18 18h00 » A casa dos cem cascos
09.06.18 17h58 » O diário de Frida Kahlo...
07.06.18 18h00 » Os condenados

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet