TRECHO

Morte a crédito*



"...Você nunca tentou saber como um cérebro está organizado?... O aparelho que o faz pensar? Hem? Mas claro que não! Não lhe interessa nem um pouco!... Precisa convencer-se, sinceramente, de que a desordem é a essência da nossa própria vida! de todo o ser físico e metafísico! É a sua alma... milhões, trilhões de circunvoluções... intrincadas, em profundidade, cinzentas, recortadas, mergulhantes, subjacentes, evasivas... Ilimitadas! Esta é a Harmonia! Toda a natureza! Uma fuga do imponderável e não passa disso... Ponho ordem em meus pensamentos; não substituo essa tarefa por outras, materialistas, negativas, obscenas... É preciso procurar o essencial! Você vai, por causa disso, cair em cima do seu cérebro, corrigi-lo, descascá-lo, mutilá-lo, forçá-lo a obedecer a regras obtusas? À faca geométrica? Refaze-lo, crucificá-lo às limitações da burrice?... Armá-lo em camadas como um bolo de aniversário? Com uma pedra dentro! Hem? Responda. Com toda a sua franqueza. Que tal? Seria bom? interessante! Iria coroar tudo!... É a grande desordem que importa! Os pensamentos prósperos! Tudo tem seu preço... Depois que passa a oportunidade, acabou-se!... Você vai ficar, infelizmente, firme na sua lixeira da razão para sempre! O míope, o cego, o absurdo, o surdo, o maneta o palerma! É você que vem perturbar a minha desordem com esses seus pensamentos depravados... A Harmonia é a única alegria do mundo, a única liberdade, a única verdade. Em ordem! Merda! Em ordem! Habitue-se à Harmonia e a Harmonia descerá até você! E você achará tudo o que procura há muito tempo nos caminhos do Mundo... E muito mais! Uma emboscada inútil de armários! Uma barricada de folhetos! Uma vasta empreitada humilhante! Uma necrópole de mapas! Não sente a vida pululando, fremindo!? Ponha a mão só um pouquinho, um dedinho que seja... Tudo se agita! Vibra no mesmo instante! Está tudo prestes a se lançar, florescer, resplandecer... Não me acho com direito de dizer-te o que é... Muito menos de reduzir, corrigir, corromper, cortar, separar... Hem!?... Aonde é que eu ia achar esse direito? No infinito, na vida das coisas? Não, não é natural, são manobras infames!... Eu continuo em paz com o universo, deixo-o assim como encontro... Não o retificarei nunca!"

 

*Trecho do romance "Morte a crédito", reproduzido de http://celinedecamisacastanha.blogspot.com.br

celine

Louis-Ferdinand Céline (1894-1961) foi um médico e escritor francês, dizem, tão genial, quanto monstruoso


Voltar  

Confira também nesta seção:
13.08.18 18h00 » Meus livros
10.08.18 18h00 » Apologia de Sócrates (trecho)
08.08.18 18h00 » O escritor trabalhando
06.08.18 18h00 » Gente pobre (trecho)
04.08.18 18h00 » Capítulo primeiro
02.08.18 18h40 » O Agiota
31.07.18 18h00 » Nada, mãezinha*
29.07.18 18h00 » As irmãs
27.07.18 18h00 » Gringuinho
25.07.18 18h00 » Um subornozinho
23.07.18 18h00 » Sexo nos berçários
21.07.18 18h13 » O dia em que o fotógrafo não quis fotografar
19.07.18 18h00 » O Lobo*
17.07.18 18h00 » Pedra Canga
15.07.18 18h10 » Selva Trágica
13.07.18 17h51 » A origem do mundo
11.07.18 18h00 » Anteontem, de manhã.
09.07.18 18h00 » O salário dos poetas
07.07.18 18h00 » Manhã Perdida
05.07.18 18h00 » O peixe de ouro

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet