ROMANCE (trecho)

Aurélia



Este sonho, tão feliz no começo, precipitou-me numa grande perplexidade. O que significava? Soube-o só depois. Aurélia morrera.

A princípio, não tive, senão, a notícia de sua doença. Em consequência de meu estado de espírito, senti, apenas, um vago desgosto misturado de esperança. Acreditava eu mesmo não ter, senão, pouco tempo de vida, e dali para frente tinha a certeza da existência de um mundo onde os corações amantes se reencontram. Aliás, em sua morte, ela me pertencia muito mais do que em vida... Pensamento egoísta que a razão mais tarde pagaria através de amargos remorsos.

Não queria abusar dos pressentimentos; o acaso faz coisas estranhas; mas preocupei-me, então, com uma lembrança de nossa união demasiado rápida. Havia lhe dado um anel antigo, trabalhado, cujo engaste era formado de uma opala talhada em forma de coração. Como o anel era grande demais para seu dedo, tive a ideia fatal de cortá-lo para diminuir-lhe a circunferência; não compreendi meu erro senão ao ouvir o barulho da serra. Parecia-me ver correr o sangue...

Os cuidados da arte tinham me devolvido a saúde sem ter ainda corrigido, em meu espírito, o curso regular da razão humana. A casa onde me encontrava, situada numa elevação, possuía um vasto jardim plantado com árvores preciosas. O ar puro da colina onde estava situada, o fôlego primeiro da primavera, as gentilezas de companhias tarziam-me longos dias de calma. 

As primeiras folhas de sicômoros alegravam-me pela vivacidade de cores, semelhantes aos penachos dos galos. A vista que se estendia acima da planície apresentava, de manhã à noite, horizontes encantadores, cujos matizes graduados brincavam com a imaginação. Povoavam as vertentes nuvens com figuras divinas cujas formas parecia ver distintamente. - Tive vontade de fixar os pensamentos favoritos e com a ajuda de carvão e pedaços de tijolos que recolhia, cobri logo as paredes com uma série de afrescos onde se realizavam minhas impressões. Uma figura dominava sempre as outras: era a de Aurélia, pintada com os traços de uma divindade, tal como aparecera, a mim, em sonho. Sob seus pés girava uma roda, e os deuses a cortejavam. Consegui colorir esse grupo espremendo o suco de ervas e flores. - Quantas vezes não sonhei diante de tão querido ídolo! Fiz mais, tentei esculpir com a terra o corpo daquela que amava; todas as manhãs, o trabalho tinha de ser refeito pois os loucos, invejosos de minha felicidade, divertiam-se em destruir a imagem.

aurelia

Um excerto da obra acima, publicada pela editora Ícone, que consta entre os nossos livros, é o que reproduzimos nesta edição. A tradução é de Elide Valarine

nerval

Gérard de Nerval (1808-1855), escritor de destaque da literatura francesa no século 19

 

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.09.18 16h00 » O Baile do Judeu*
21.09.18 18h00 » A sapituca
19.09.18 18h00 » O importado vermelho de Noé
17.09.18 17h00 » Catatau (trecho)
14.09.18 18h00 » Língua
12.09.18 17h00 » Prece sem nome nem título
10.09.18 17h00 » Bom senso
07.09.18 18h00 » A flor do meu bairro
05.09.18 18h00 » América (trecho)
03.09.18 17h23 » Vale Transporte
31.08.18 18h00 » Dias de Faulkner (trecho)
29.08.18 17h27 » A senhora Nora está indisposta
27.08.18 17h00 » A inifinita fiadeira
24.08.18 17h48 » A Peste (trecho)
22.08.18 18h00 » A Maldição de Ondina (trecho)
20.08.18 18h00 » Confissões de uma máscara (trecho)
17.08.18 18h00 » Lolita (trecho)
15.08.18 18h00 » Noturno do Chile (trecho)
13.08.18 18h00 » Meus livros
10.08.18 18h00 » Apologia de Sócrates (trecho)

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet