NOVELA (trecho)

O capote



Como desceu as escadas, como saiu para a rua, de nada disso Akáki Akákievitch pôde lembrar-se depois. Nunca na vida levara uma descompostura tão grande de um general, ainda mais de outra repartição. Caminhava no meio da ventania que assobiava na rua, com a boca aberta, sem enxergar a calçada; o vento, como é costume em Petersburgo, soprava sobre ele dos quatro lados, em todas as esquinas. Em pouco tempo apanhou uma dor de garganta e foi para casa sem forças para pronunciar uma só palavra. Todo inchado, ele se deitou. As repreensões podem ser às vezes excessivamente fortes! No dia seguinte Akáki Akákievitch estava com uma febre altíssima. Graças à generosa contribuição do clima de Petersburgo, a doença caminha mais depressa do que era de esperar, e quando o doutor apareceu e tomou o pulso do enfermo não conseguiu pensar em nada que pudesse fazer, limitando-se a receitar umas compressas, só para o doente não ficar inteiramente sem assistência médica: aliás, desde logo avisou o doente que ele não duraria mais do que trinta e seis horas. Em seguida o médico dirigiu-se à dona da casa e disse: "Mãezinha, não perca seu tempo à toa, encomende-lhe já um caixão de pinho, porque de carvalho seria muito caro para ele."

Não se sabe se Akáki Akákievitch ouviu essas palavras fatais, se elas tiveram efeito retumbante nele, se o fizeram lamentar sua vida desgraçada - é impossível saber, porque ele ardia em febre e delirava. Diante dele desfilavam as cenas mais estranhas: ora ele via Petróvitch e encomendava-lhe um capote com armadilhas para ladrões, que julgava estarem debaixo da cama, e chegou mesmo a chamar a dona da casa toda hora para tirar um ladrão que estava escondido bem debaixo do cobertor; ora perguntava o que estava fazendo pendurado na frente dele o seu capote velho, quando ele tinha um novo; ora tinha a impressão de estar diante do general, ouvindo a tremenda descompostura e murmurando: "Desculpe, Excelência"; finalmente chegava às vezes  a dizer palavrões, tão fortes que a velhinha se persignava espantada, , pois nunca ouvira dele tais palavras, ainda mais que elas vinham logo em seguida às palavras "Vossa Excelência". Mais tarde ele começou a falar coisas inteiramente sem nexo, que ninguém conseguia entender; a única coisa que se percebia era que suas palavras confusas e seus delírios giravam em torno do capote.

capote

Do livro acima (Editorial Alhambra) é a prosa reproduzida nesta edição. Uma deliciosa novela guardada com carinho no acervo tyrannus. A tradução é de Maria Aparecida Botelho Pereira Soares

gogol

Nikolai Vasilievich Gogol (1809-1852) foi um brilhante escritor que nasceu na Ucrânia e morreu na Rússia

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.07.18 18h10 » Selva Trágica
13.07.18 17h51 » A origem do mundo
11.07.18 18h00 » Anteontem, de manhã.
09.07.18 18h00 » O salário dos poetas
07.07.18 18h00 » Manhã Perdida
05.07.18 18h00 » O peixe de ouro
03.07.18 18h00 » Ema
01.07.18 18h00 » Capítulo I
29.06.18 17h51 » Joana
27.06.18 18h00 » O capote
25.06.18 18h00 » Caçando carneiros
23.06.18 18h00 » Conheceu, papudo!
21.06.18 18h00 » Pornô Chic
19.06.18 18h00 » Aurélia
17.06.18 18h00 » Pergunta final
15.06.18 17h53 » Ficções
13.06.18 18h00 » Madona dos Páramos
11.06.18 18h00 » A casa dos cem cascos
09.06.18 17h58 » O diário de Frida Kahlo...
07.06.18 18h00 » Os condenados

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet