CONTO

O peixe de ouro



De borracha é a cintura do peixe de ouro, uma curva infinita cavada na carne. E são deletéreas as pernas do peixe de ouro, que se locomove como se fosse o corpo acionado por molas. O andar é elástico, o andar do peixe de ouro, e balança a cabeleira cor de charuto no dorso lisíssimo, tapando a nuca. Não vejo a cara do peixe de ouro, sigo-lhe os passos, vejo-lhe as ancas, de potranca, a roupa é rubra, a carne, de ouro, a carne do peixe de ouro. De repente o peixe inclina a cabeça e percebo, não há quem não perceba, um perfil de penugens que o sol divulga, nítido. Segue o peixe, segue, todo um rio o segue, rio de bichos, somos todos bichos, mordemos com vigor o músculo das ancas, arrancamos pedaços da anca, da melhor anca, da melhor. Guardo no meu casaco o nobre fragmento da anca do peixe de ouro, e quero ao menos um fio, um fio ao menos dos cabelos, mas já a cabeleira foi roubada à força, quando voava descobrindo o pescoço. Cravo meus dentes na nuca do peixe de ouro e bebo-lhe um mel, sugo aflito, como a uma fruta, meus lábios ficam encharcados, escorre o mel, caem gotas na pedra, minha camisa ensopa-se de baba e mel, um mel raro. Desoladamente constato que trepida a epiderme desgarrada de seu recheio, em mantas, fiava pele há pouco distendida em curvas, ora couro plissado, de gelhas. Peixe de ouro perde aos poucos seu revestimento muscular, sangra, ossos despontam, interligados por tendões, cartilagens, restos de carne. Com enorme rudez puxo um nervo longo e de bom calibre para encordoar determinada viola d'amore. Desloco, e com delicadeza removo uma vértebra do peixe, como quem se serve de um doce, sorvo o creme vertebral e trituro a fina peça mal calcificada. A meu lado, alguém empunha uma das tíbias como dava, e é milagre a sobrevida do peixe de ouro, que não obstante prossegue sustentado não sei por que espécie de fundamento. Poucos ossos, quase nenhum, raros tendões, nenhuma carne. Agarro para mim a fossa ilíaca; luto por ela, ela me dilacera as mãos, mas é minha, conquistei-a, será o prato real onde comerei. Sigo, seguimos, impulsionados pelo mero costume, pois a unidade se partiu em blocos, o que era peixe não é, senão partículas, pó, aura, microtalco, microtalco de ouro.

cem

É do livro acima, da Cia das Letras (Selo Objetiva), o conto reproduzido nesta edição. Obra que está no ninho literário deste tyrannus

maranhão

Haroldo Maranhão (1927-2004) nasceu em Belém (PA) e faleceu no Rio de Janeiro. Foi advogado, jornalista e escritor; ganhador de vários prêmios literários




 

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
16.11.18 19h00 » O Gato por Dentro (trechos)*
14.11.18 18h00 » Cantos de Maldoror (Trecho)*
12.11.18 16h00 » PanAmérica (trechos)*
09.11.18 19h00 » O Sorriso Roubado*
07.11.18 18h00 » Cego e amigo Gedeão à beira da estrada*
05.11.18 16h00 » Rosa dos Ventos - ou o desejo de uma ceia a dois*
02.11.18 18h00 » Ficção em sala de professores*
31.10.18 17h44 » Gente de quem?*
29.10.18 17h00 » Transas das sextas-feiras*
26.10.18 20h17 » Mineirinho*
24.10.18 18h00 » Fome*
22.10.18 17h00 » O anel*
19.10.18 18h46 » Noite dentro da noite*
17.10.18 18h00 » A espingarda*
15.10.18 17h00 » Melô da contradição*
12.10.18 18h00 » Colheita*
10.10.18 17h00 » Da execução de um Van Der Lej e outras misérias*
08.10.18 17h00 » Joaquim Maria*
05.10.18 17h00 » Que eu possa respeitar opiniões...*
03.10.18 17h00 » O jardim dos caminhos que se bifurcam*

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet