CONTO(trechos)

Coitado do homem cujos desejos dependem*



"Com um sadismo na face, detergiu as mãos vermelhas de sangue, purificou os pés com pisadas fortes e seguras, encheu o pulmão de um ar que agora lhe era diferente: era um ar só teu. Tinha sua impressão digital naquele oxigênio. Começou a perceber a vida com outro olhar, uma visão mais apurada das coisas, uma visão de águia em dia de caça. Ao sair da casa da defunta, com o corpo ainda repleto de indícios do que acabara de ocorrer, surpreendeu-se ao fitar o mundo de frente, e não mais seu chão, como sempre fizera. Deu-se ao atrevimento de olhar o céu, queria descobrir de que cor era. O céu, que sempre esteve ali, mas que ele nunca enxergou. O céu azul. Uma cor nova. Azul. Era tão bonita, diferente do vermelho, mas ao mesmo tempo igual: cores belas, irresistíveis, manchadas de uma impaciência rica e brilhosa." 

...

"A morte lhe havia dado a Poesia das Montanhas para entender as coisas da vida. Percebia agora que todos aqueles que o rejeitaram a vida toda eram crianças amedrontadas, à procura de uma aprovação qualquer, de um passar de dedos lamentosos pelas orelhas frias. Queriam fazer parte d’algum grupo. Entendera que não existia beleza, só a Natureza, e que o natural não se acanhava diante da solidão. Ele era assim, e fora assim a vida toda: solidão em quarto pequeno de moitas rápidas em dias de frio campestre. Apesar de nunca ter ido a uma montanha, Herculano sentira nas veias que passara pela vida como homem do campo, não sendo ele homem da cidade e não pertencendo a nada que ali se formava. Vira que na verdade era o mais sortudo dos homens, pois nunca se deu por vencido diante das exigências humanas."   


*Reproduzido do livro "Coitado do homem cujos desejos dependem", que está quase  lançado com o selo Arcada (https://www.leiaarcada.com/)

meloni

Rodrigo Meloni é jornalista, articulador político, ativista gay e estudioso da comunicação de massa, o escritor que já teve contos publicados em diversos blogs e sites mato-grossenses e nacionais, se aventura na publicação de seu livro de estreia

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
03.06.20 00h10 » "Grande Sertão: Veredas" (trechos)*
03.06.20 00h10 » Corá* (trecho)*
01.06.20 09h40 » Quer comprar?
27.05.20 00h10 » O pião*
27.05.20 00h10 » Detesto quem anda com uma pistola no bolso*
20.05.20 00h01 » A noiva do som*
20.05.20 00h01 » Última visita a Mallarmé
13.05.20 10h00 » A dama de branco*
13.05.20 10h00 » pedia a cada estrela fria um brilho de aluguel
06.05.20 10h00 » Frases de um autor polêmico
06.05.20 10h00 » Ciao*
29.04.20 10h00 » Curiosidades e futilidades do calendário... e poesia no fim!
29.04.20 10h00 » O que medra*
22.04.20 00h01 » A camponesa, a égua e o cavaleiro*
22.04.20 00h01 » Citações de um letrado estadunidense
15.04.20 16h00 » Katukolosu, um grande pajé
15.04.20 16h00 » Pensamentos da ancestralidade
14.04.20 11h21 » Que mundo é esse?
08.04.20 12h00 » ...E o esquadrão ficou em vigília*
08.04.20 12h00 » A Alavanca de Ouro*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet