Canto coral


Quem canta seus males espanta! Sexta-feira temos ensaio do coral. Se não os espanta definitivamente, esvanece quando os olhos se fixam na regência, soltamos e modulamos a voz. Os males ficam ali, atrás da porta fechada! É bom? É. É terapêutico, vai além da música (seu foco), converte-se em numa atividade linkada com outras áreas do conhecimento, como sociologia, psicologia, antropologia, fonoaudiologia. Aprimora a concentração e memória; educa a voz, melhora a postura, respiração e desperta um sentimento, uma atitude: um por todos e de todos por um! Algo em queda vertiginosa na sociedade.

O termo tem origem grega, Chóros. Representa um conjunto de aspectos para alcançar o ideal do drama grego (poesia, canto e dança). O cristianismo adotou o termo com outro sentido: grupo da comunidade que canta junto ao altar. Não é bem esse o caso do nosso coral, o Sesc Canta.

O canto coral é o mais antigo entre os sonoros coletivos, associado a historia da música e da humanidade. Da era neolítica (acho que já faz um tempinho) há registros de inscrições rupestres encontradas em cavernas na Espanha. Práticas de cantos e danças por mulheres, em torno de um homem nu. Que coisa! Também não é o caso do nosso coral.



Na antiga Grécia o coral era um serviço público imposto pelo Estado e os  cidadãos com condições materiais bancavam a coisa. Era uma das mais elevadas expressões do ser humano. Com os gregos o coro ultrapassou os limites religiosos e adentrou nas festas populares e orgias. Nosso coral, por enquanto, está chegando nas festas populares. Nada de orgias, embora o futuro a Deus pertença.


Por falar em Deus, o Cristianismo utilizou-se da música para transmitir sua doutrina e atrair mais fieis.  O canto gregoriano, sistematizado pelo Papa Gregório I (590-604), tinha características próprias e prestava sua fidelidade aos textos litúrgicos. Com as transformações políticas e sociais a partir do século 18 e 19, a coisa extrapolou bastante o território religioso. Graças a Deus, eu diria, porque sendo uma manifestação artística não seria de bom tom ficar atrelado a dogmas, ideários etc. Se tem uma coisa que combina com arte, essa coisa é a liberdade. No Sesc Canta acredito que a maioria das pessoas pensa assim.  

Em solo brasileiro o Coral Paulistano foi um dos primeiros coletivos a botar banca. Criado em 1936, sob a influência da Semana de 22 (aquela), por Mario de Andrade, tinha a proposta de impulsionar hábitos culturais mais tupiniquins, porque nem tudo se resumia a óperas italianas e músicas francesas. Em 1967, misturando linguagem do erudito ao popular, surge o coral da Universidade de São Paulo – Coralusp, que obteve reconhecimento internacional.



Dessa parte da história universal do canto coral, a gente parte direto pro nosso coro. Temos pouco mais de três meses, somos umas quarenta vozes e ensaiamos duas vezes por semana. Coral é um negócio assim: quando começa, parece que não vai dar certo. Mas ensaio vai, ensaio vem, dedicação, disciplina e um pouco de afinação... não é que a coisa rola?!

E depois desses três meses ritualizando para deixar o gogó no ponto, o bônus passa a ser também a relação afetiva que a gente vai criando em nosso coletivo. Pô, somos esse montão de gente e significamos um ecletismo bárbaro. Num coral, tem que ser assim pra dar certo: aceitar e conviver com as diferenças. E seguir, claro, a orientação do nosso maestro. Na próxima terça-feira, 20 horas... Estaremos lá no palco do Sesc Arsenal entoando canções indígenas e sulafricana, pra vocês.


Sopranos

Contraltos

Tenores

Baixos

 Neste sábado e domingo (20 horas) tem Leonardo e Juliano. Não é dupla sertaneja e nem é na Expoagro. É no Sesc Arsenal, pai e filho virtuoses do violão.




Voltar  

Confira também nesta seção:
22.08.19 19h00 » Caçando lebres, de noite*
19.08.19 17h00 » Em busca do tempor perdido (parágrafo)*
15.08.19 18h00 » Citações e aforismos
11.08.19 12h00 » Inveja*
08.08.19 18h00 » A montanha mágica*
05.08.19 16h00 » Me alugo para sonhar*
02.08.19 23h30 » Empregada
31.07.19 20h00 » O idiota*
29.07.19 12h00 » LOUIS ARMSTRONG*
26.07.19 21h00 » A felicidade é um papel amarelado*
24.07.19 19h00 » Seleção de frases*
22.07.19 12h00 » Para sempre em cima*
20.07.19 00h30 » Ulisses*
17.07.19 19h00 » Urubus*
15.07.19 09h00 » Liberdade: uma condenação*
12.07.19 21h00 » Abra cada cabra*
10.07.19 18h00 » Achados e Perdidos
08.07.19 12h00 » Toada do Esquecido (trechinho)*
05.07.19 21h00 » O Barril de Amontillado*
03.07.19 18h15 » Medida contra a violência*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet