ROMANCE (trecho)

O amante de Lady Chatterley*



O guarda-caça a conduziu por um recesso recamado de folhas secas, que amontoou e forrou com o seu casaco. Aí a fez deitar-se, como um animal. E de pé diante dela, de blusa e culote, Mellors a contemplou com os olhos dilatados de desejo. Desceu-lhe, em seguida, a roupa de baixo - arrebentando o que não podia desatar, porque Constance, imóvel, não o ajudava.

E como ele também se despira na frente, houve perfeito contato das epidermes ao dar-se a penetração. Mellors penetrou-a e ficou parado dentro dela, túrgido e palpitante, até perceber o começo do orgasmo de Constance - e não ritmou os movimentos de vaivém. Frementes, como o palpitar de uma leve chama, leve e macia como pluma, as entranhas de Constance começaram a derreter-se lá dentro. Era como o som de um sino que, de vibração em vibração, sobe do vago ao apogeu. E Lady Chatterley não teve consciência dos gemidos e gritinhos selvagens que dava - que deu até o fim. Fim da parte dele, apressado demais, ejaculando antes que ela acabasse - e Constance não podia acabar sozinha. Dessa vez tudo era diferente, diferente. Por si só nada podia fazer - como com Michaelis. Não podia retesar-se para mantê-lo dentro de si até que o gozo sobreviesse. Só podia uma coisa, esperar - esperar e mentalmente gemer ao sentir que ele se contraía, se retraía, já próximo a escapar à sua sucção. E como a anêmona do mar flutuante sob a onda, suas entranhas abertas e macias clamavam por ele outra vez - que viesse satisfazê-la. E a ele agarrava-se, no delírio da paixão inconsciente, e não o deixava arrancar-se de si; finalmente sentiu que o membro do homem estremecia de novo dentro de sua carne, e recrescia em ritmos estranhos até ocupar todo o vácuo da sua consciência. E o inefável movimento recomeçou - movimento que não era movimento, mas puro e profundo turbilhão de sensações que vibravam e mergulhavam mais e mais no interior da sua carne fundida, até torná-la um turbilhão concêntrico de sensações a emitir instintivos urros inarticulados. Foi com terror que nas trevas do recesso o homem ouviu aquele grito da vida ressoante debaixo dele - e dentro dela derramou em jatos sucessivos a sua semente cálida.

 

*Reproduzido de http://evolucionese.blogspot.com

dh

David Herbert Lawrence (1885-1930) foi um autor inglês que praticou diversos gêneros literários, incluindo a crítica. Sua obra é controversa por sugerir simpatia pelo nazismo, sadismo e ódio às mulheres. Motivou investigações da parte de filósofos como Gilles Deleuze e Félix Guattari, e de Sigmund Freud

 

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
22.04.19 00h10 » O laboratório do Dr. Frankenstein*
19.04.19 19h30 » Os Devaneios do General*
17.04.19 18h30 » Um solitário à espreita*
15.04.19 13h00 » O amante de Lady Chatterley*
12.04.19 20h30 » Livro de ocorrências*
10.04.19 14h00 » Catedral*
08.04.19 01h50 » Puta merda
05.04.19 20h00 » O enforcado*
03.04.19 19h30 » Água viva*
01.04.19 09h00 » O inventor do martelo-de-orelha*
29.03.19 20h30 » Um ardil*
27.03.19 17h00 » Estar sendo. Ter sido*
25.03.19 12h00 » O pirotécnico Zacarias*
22.03.19 20h00 » O apanhador no campo de centeio*
20.03.19 18h00 » O fim de Arsène Godard*
18.03.19 14h00 » Fábula curta
14.03.19 21h00 » A mão encantada (trecho)*
13.03.19 18h00 » Coitado do homem cujos desejos dependem*
11.03.19 12h00 » Criação literária*
08.03.19 20h00 » O campeão*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet