PROSA POÉTICA

Abra cada cabra*



Os desastres se acumulam e a tragédia desse montante parece não poder estancar a iminência abissal do vazio. São procelas em silêncio onde olhos marejados desejam naufrágio. Dados rolam ao contrário, cartas caem em falso, damas são cavalos, bispos são veados. E meu Amor, esse vício por álcool, que tudo quer, tudo abarca, faz água ao barco. 

Tenho destruído cada conquista, como quem incendeia a cidade depois de a ter tomado. Desertei, dei aos soldados morte sumária. Vi Roma arder após ter partido minha mãe ao meio de alto a baixo. Ri da coroa e com o cetro executei crueldades. Mesmo sem império, um facínora, meio Calígula, um tanto Nero, sem da Cidade Eterna o fausto.

O sadismo dado aos magos, subjugar almas e ser pela própria subjugado. Bruxaria feita ao contrário. Encantar o sempre amaldiçoado. Um ornamento equívoco, um luxo desvairado. Um espetáculo torpe, ilusionismo de senilidades. Abra cada cabra, sangue ao invés de mágica. Dentro da caixa espadas penetram a amada.      

Transtorno de quantas possíveis polaridades, Baudelaire, Verlaine, bouderlaine. Complexos que Electram Édipo ou Portnoy. E a cada cigarro levar a boca um trauma, oral como quem lambe um falo. Esperma ao lábio como lágrima. Freud em pó, absinto e literatura laureada. Eu cultivando mortos. Psicologia moderna para desvairados. 


*Texto enviado pelo autor ao tyrannus

rafaela hoffmann

GLAUBER

Glauber Lauria nasceu em Torixoréu (MT) em 1982. Publicou de modo independente o livro de poemas "Jardim das Rosas em Caos". Já saiu nos periódicos Fagulha, Sina, Acre, Expresso Araguaia, AMEOPOEMA, etc. Cursa Dramaturgia na MT Escola de Teatro e escreve para o site Cidadão Cultura

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
11.07.20 18h00 » Biruta batuta
08.07.20 00h10 » Meu negro de estimação*
08.07.20 00h10 » Não choro porque meus olhos ficam feios
04.07.20 14h19 » Marília, sonhos e sorrisos
04.07.20 11h31 » Quem vem lá?
01.07.20 00h01 » Cérebros
01.07.20 00h01 » Almoço Nu (trecho)*
24.06.20 00h10 » Papel de parede*
24.06.20 00h10 » Seleta de frases*
17.06.20 17h31 » Sem pena? É quarentena
17.06.20 00h10 » Laboratório de deuses
17.06.20 00h10 » Sono e vigília*
10.06.20 16h45 » Está pedreira na clareira
10.06.20 00h10 » Ulysses (minitrecho)*
10.06.20 00h10 » Labirinto de rosas*
03.06.20 00h10 » "Grande Sertão: Veredas" (trechos)*
03.06.20 00h10 » Corá* (trecho)*
01.06.20 09h40 » Quer comprar?
27.05.20 00h10 » O pião*
27.05.20 00h10 » Detesto quem anda com uma pistola no bolso*

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet