Não choro porque meus olhos ficam feios

O choro é livre. Chororô. Chorão. Chorinho. Chorado. Choramingar é um choro meio minguado e pranto já é muito choro. Homem que é homem não chora, quando a mulher vai se embora. Que coisa mais machista. Buáaaaaa. Snif. A conversa hoje aqui é essa: o verbo chorar. E não precisa ser com copiosas e fartas lágrimas. Pode ser apenas os olhinhos marejados, que nem o do tamanduá. "O olhinho dele tava merejando, que nem o do tamanduá mirim". Totó, um cidadão rural, lá das bandas do Livramento, que habitava o sítio do meu finado avô Bento Pires, me ensinou essa certa vez. Nunca mais esqueci.
Totó, um dia comprou uma fubica, um daqueles carrinhos tipo calhambeque, e providenciou para que fosse pintado em seu parachoque a seguinte frase: "se fui pobre, num me alembro". Quando me lembro dessas histórias antigas, saudosista que sou, a vontade que sinto é de chorar. Quanto mais velho, mais manteiga derretida.
A única espécie a chorar é o ser humano. A externalizacão de sentimentos como medo, tristeza, depressão, dor, saudade, alegria exagerada, raiva, aflição, indignação, insegurança, felicidade e outros, na maioria das vezes, vem em choro, com derramamento de lágrimas.   O choro está relacionado aos nossos instintos de defesa e comunicação.

Cry baby
O ser humano, além de chorar, é capaz também de simular o choro. Tenho certeza de que algo ou uma imagem lhe vem à cabeça: criança birrenta,  gritando e esperneando pra conseguir algo http://www.youtube.com/watch?v=ZjZrx0ZOKRs). Pior, se não for corrigida, quando adulta, continuará a utilizar desse subterfúgio para conseguir o objeto do desejo. O choro simulado é usado também na dramaturgia e ensinado nos cursos de formação de atores e atrizes. Quando esses não conseguem se entregar totalmente ao sentimento e debulhar-se em lágrimas, é normal utilizarem um tal de “cristalzinho japonês” à base de menta (hummm, tô entendendo...). O choro simulado, como dá pra perceber, é uma arma muito poderosa e não são apenas os artistas e crianças que utilizam dessa peculiaridade humana.  

Carpideiras, as profissionais do choro

Chorando as pitangas
Enfim, chorar faz bem a saúde. Homem e mulheres relataram que se sentem melhores após chorar, certo alívio. Chorar lava a alma que ainda bem não é tão grande nem tão pequena, porque o ser humano produz em média 500 ml de lágrimas por ano!
Composição da lágrima: água, muco, lipídios, proteínas, magnésio, potássio, enzimas antibacterianas, dentre outros. Agora quando as lágrimas são verdadeiras elas são ricas em manganês.
Por causa de uma colombina...
Por que a maior parte das pessoas parece que, instintivamente, tenta disfarçar o choro? "Chorei, não procurei esconder...". É só parte da letra de uma música, "Volta por Cima". 
Ao final da sessão de "Rock Brasília - A Era de Ouro", no festival de cinema que acompanhamos no último weekend, debulhamos em lágrimas. Pudera, Vladimir Carvalho, o diretor do documentário, entrevistava dois roqueiros e convocou Briquet Lemos, pai dos roqueiros Fê e Fábio Lemos, do Capital Inicial, para finalizar a coisa.

O choro contagiante de Briquet
Briquet, cujos depoimentos entremeiam o filme inteiro, retorna à cena e titubeia, engasgado com lágrimas, antes de se manifestar. Num gesto de grandiosa generosidade, responde que aprendeu com os filhos. Fez lembrar o Guimarães Rosa: "A gente aprende mais com os mais novos". Numa entrevista no Festival de Cinema de Paulínia, onde o filme foi vencedor, ele já tinha declarado: "Nós nos contrapomos às tendências que levam famílias a se apoderarem da memória de seus membros, que são pessoas públicas". Quanta sabedoria, quanto preparo pra enfrentar a vida com galhardia.
Nosso "chorado" de Vila Bela da Santíssima Trindade

Pixinguinha, a expressão do chorinho


Um primo, há vários anos, confundiu as palavras. Disse que do olho de alguém escorreu um milagre. Tinha razão, porque lágrimas e milagres não possuem apenas semelhanças na escrita. Então, na verdade, precisávamos dizer que as lágrimas devem ser sempre bem vindas. Fazem parte da vida e de momentos dela em que a emoção preponderou e umedeceu o gesto do olhar. Mesmo que seja uma furtiva lágrima, que remete à ária homônima da ópera "O Elixir do Amor", de Donizetti, esse líquido que orvalha nossos olhos não precisa, necessariamente, ser contido.


"Que distância!
Não choro
porque meus olhos ficam feios".
(Oswald de Andrade)



"Acabou chorare
Ficou tudo lindo".

(Moraes e Galvão)




Voltar  
5 Comentrio(s).
Que roteiro mais prazeroso esse Lorenzo...estou encantada com as bordadeiras...agora sim Chapada pode dizer, q tem um belo trabalho artesanal, original e significativo de sua gente...adorei!
enviada por: Regina Pena    Data: 22/10/2012 10:10:11
Grata por este post...
Como chapadense posso dizer: isso é nossa terra, nossa gente e a energia das pessoas que a ama.
enviada por: Ruth Albernaz Silveira    Data: 22/10/2012 10:10:11
Geeente, passar na casa de Louriza e juju na Chapada é imprescindível, delicioso e o papo é demais. Felicidade pura....
Né Fátima????
Bjus
Telma Preza
enviada por: tmpreza    Data: 22/10/2012 10:10:11
Geeente, passar na casa de Louriza e juju na Chapada é imprescindível, delicioso e o papo é demais. Felicidade pura....
Né Fátima????
Bjus
Telma Preza
enviada por: tmpreza    Data: 22/10/2012 10:10:11
Telma querida é verdade. Pra nós é como ir a Roma e nao ver o Papa. O casal, melhor a família, é felicidade pura e prepare-se para ser contagiado. Bjus
enviada por: Fátima Sonoda    Data: 22/10/2012 10:10:11

Confira também nesta seção:
22.07.19 12h00 » Para sempre em cima*
20.07.19 00h30 » Ulisses*
17.07.19 19h00 » Urubus*
15.07.19 09h00 » Liberdade: uma condenação*
12.07.19 21h00 » Abra cada cabra*
10.07.19 18h00 » Achados e Perdidos
08.07.19 12h00 » Toada do Esquecido (trechinho)*
05.07.19 21h00 » O Barril de Amontillado*
03.07.19 18h15 » Medida contra a violência*
01.07.19 12h00 » As Moscas
28.06.19 21h00 » Emoção*
26.06.19 20h30 » Rose Eagle*
24.06.19 12h00 » Sou um crápula*
21.06.19 18h20 » Amor de acidentado*
19.06.19 17h30 » Meu nome é Caio F...
17.06.19 12h00 » Dramaturgia*
14.06.19 21h30 » Mosaico Cuiabano*
12.06.19 20h00 » Um enforcamento*
10.06.19 12h00 » Máquinas como eu*
07.06.19 22h00 » Vamos acabar com esta folga*

Agenda Cultural

  • Em Cartaz:
  • Bate-papos com artistas
  • Dia: 23 de julho
  • Local: Museu de Arte e de Cultura Popular - UFMT
  • Informações: no link
Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet