Festival de Cinema de Brasília

Oiiiii, estamos em Brasília! Viemos, a convite, conferir a 44ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, considerado hoje o mais importante evento do audiovisual tupiniquim. Então, hora de compartilhar o que estamos presenciando aqui no planalto central. Recepção calorosa. No caminho do aeroporto ao hotel (e que hotel!), flagramos um termômetro marcando os 37º e sinais da explícita “secura” na paisagem.

E dizem que Mato Grosso é terra de índio. Terra de índio é o Brasil inteiro, gente boa. Mal descemos do avião e "olha lá, Lorenzo...". Uma celebridade, o nosso Cacique Raoni, condecorado recentemente em Paris, caminhando pelo aeroporto do DF. Dizem que ele não gosta de ser fotografado, mas conseguimos captar alguns flagrantes à distância. Chegando ao JK Plaza, enquanto aguardávamos para fazer o check in, adentra-se ao hotel uma comitiva xinguana, aqueles mesmos que o Clovito Irigaray pintava nos anos 70. Um cacique acompanhado de três índias, duas crianças e mais um índio, se submetendo a maior tietagem. Vieram para a exibição do filme "As Hiper Mulheres", produção carioca/pernambucana, que foi beber da fonte lá do Xingu.



Aproximo e peço pra tirar fotos. Sou super bem recebido pelo cacique, o único que fala português. Ficamos felizes pelo contato com nossos ancestrais e a alegria aumenta quando descobrimos que o filme, dirigido por Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, foi um dos mais aplaudidos.

Enquanto Lorenzo optou por assistir Fluminense X Santos, fui à tarde ao Centro Cultural Banco do Brasil ver Media Training, de Eloar Guazzelli e Rodrigo Silveira; e Cafeka, de Natália Cristine, animações mucho locas! E depois, o que na verdade motivou-me, foi o filme “Elogio da Graça”, de Joel Pizzini, que colocou Maria Suksdorff, merecidamente, como protagonista/narradora da sua história com o cineasta e fotógrafo Arne Suksdorff. O filme mostra o cotidiano de Maria em Cuiabá, entrecortado por cenas capturadas por Arne sobre o trabalho e a família no Pantanal. O filme foi muito aplaudido pela plateia. Maria está aqui, toda prosa, e com razão.




Novas amizades: Cristina Medeiros 
 

Maria e seu codiano pantaneiro


Uma coisa bacana de festivais é a reação da plateia. Aplausos e vaias se sucedem ou se misturam numa mesma massa sonora. O primeiro filme de Oswaldo Montenegro, que já foi exibido, "Léo e Bia", até agora, parece ter sido o mais polêmico. Ou talvez o que mais desagradou, pelo que andamos assuntando por aqui. O Festival está em seus últimos dias. Começou na segunda-feira passada com exibições em dois locais de Brasília, e também em mais quatro cidades satélites. A tal da maratona fílmica. O bicho pega mesmo, sem contar oficinas, seminários e debates. Neste domingo está em nossos planos participar de uma palestra: "Estética audiovisual para celular: possibilidade de negócios no presente e no futuro".



Pereio "sem frescura"

Trocando ideia com Cid Nader 
 Já de noite fomos ao Cine Brasília, um espaço para umas 600 pessoas, mas as poltronas foram poucas. O que tinha de gente sentada no chão e nos degraus (incluindo nosotros) é coisa de louco. O festival aqui é agitação pura. Plateia crítica, jovens e antigos cineastas se encontrando e disputando prêmios, num evento dedicado exclusivamente ao cinema brasileiro.



Lógico que quando Rodrigo Santoro subiu ao palco com a equipe do longa "Meu País", no qual ele participa, o que rolou mesmo foi tietagem. Eu, Tyrannus Lorenzo, não devo criticar o filme e só posso dizer que aguentei apenas uns 20 minutos. Não morro de amores por animações, mas me surpreendi com “Sambatown”, de Cadu Macedo. Um desenho estilizado, diferente cheio de resignificados e sutilezas. Gostei. Mas o que valeu a pena mesmo foi "Sobre o Menino do Rio", de Felippe Joffily, um curta delicado e muito bem resolvido, de notável singeleza, em preto e branco. Cinema também é feito de simplicidade e nada como um bom texto. A melhor coisa da noite. 
Um tal de "Sambatown"
O domingão vai ser correria: palestra, filme, almoço com Nicolas Behr, show do Macalé... Vai ter assunto pra dedeú.  Mas antes de cerrar as cortinas, um registro: o convite para virmos ao Festival partiu da Oi, uma das patrocinadoras do Festival. É o primeiro vôo do Tyrannus, muito bacana.

Boa Noite Brasília



Voltar  

Confira também nesta seção:
22.07.19 12h00 » Para sempre em cima*
20.07.19 00h30 » Ulisses*
17.07.19 19h00 » Urubus*
15.07.19 09h00 » Liberdade: uma condenação*
12.07.19 21h00 » Abra cada cabra*
10.07.19 18h00 » Achados e Perdidos
08.07.19 12h00 » Toada do Esquecido (trechinho)*
05.07.19 21h00 » O Barril de Amontillado*
03.07.19 18h15 » Medida contra a violência*
01.07.19 12h00 » As Moscas
28.06.19 21h00 » Emoção*
26.06.19 20h30 » Rose Eagle*
24.06.19 12h00 » Sou um crápula*
21.06.19 18h20 » Amor de acidentado*
19.06.19 17h30 » Meu nome é Caio F...
17.06.19 12h00 » Dramaturgia*
14.06.19 21h30 » Mosaico Cuiabano*
12.06.19 20h00 » Um enforcamento*
10.06.19 12h00 » Máquinas como eu*
07.06.19 22h00 » Vamos acabar com esta folga*

Agenda Cultural

  • Em Cartaz:
  • Bate-papos com artistas
  • Dia: 23 de julho
  • Local: Museu de Arte e de Cultura Popular - UFMT
  • Informações: no link
Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet