ENSAIO

O ato criador*



Consideremos dois importantes fatores, os dois pólos da criação artística: de um lado o artista, do outro o público que mais tarde se transforma na posteridade. Aparentemente o artista funciona como um ser mediúnico que, de um labirinto situado além do tempo e do espaço, procura caminhar até uma clareira.

Ao darmos ao artista os atributos de um médium, temos de negar-lhe um estado de consciência no plano estético sobre o que esta fazendo, ou por que esta fazendo. Todas as decisões relativas à execução artística do seu trabalho permanecem no domínio da pura intuição e não podem ser objetivadas numa auto-análise, falada, escrita, ou mesmo pensada.  T. S. Elliot escreve em seu ensaio sobre Traditions and Individual Talents: “Quanto mais perfeito o artista, mais completamente separados estão nele o homem que sofre e a mente que cria; e mais perfeitamente a mente assimilará e expressará as paixões que são seu material.”

Milhões de artistas criam; somente alguns poucos milhares são discutidos ou aceitos pelo público e muito menos ainda são os consagrados pela posteridade. Em última análise, o artista pode proclamar de todos os telhados que é um gênio; terá de esperar pelo veredicto do público para que a sua declaração assuma um valor social e para que, finalmente, a posteridade o inclua entre as figuras primordiais da História da Arte.  

Sei que esta afirmação não contará com a aprovação de muitos artistas que recusam este papel mediúnico e que insistem na validade de sua conscientização em relação a arte criadora – contudo, a História da Arte tem persistentemente decidido sobre as virtudes de uma obra de arte, através de considerações completamente divorciadas das explicações racionalizadas do artista.

Se o artista como ser humano, repleto das melhores intenções para consigo mesmo e para com o mundo inteiro, não desempenha papel algum no julgamento que conduz o publico a reagir criticamente à obra de arte? Em outras palavras, como se processa esta reação? Este fenômeno é comparável a uma transferência do artista para com o público, sob a forma de uma osmose estética, processada através da matéria inerte, tais como a tinta, o piano, o mármore.

Antes de prosseguir, gostaria de esclarecer o que entendo pela palavra “arte” – sem, certamente, tentar uma definição. O que quero dizer é que a arte pode ser ruim, boa ou indiferente, mas, seja lá qual for o adjetivo empregado, devemos chamá-la de arte, e arte ruim, ainda assim, é arte, da mesma forma que emoção ruim, ainda é emoção. Por conseguinte, quando eu me referi ao “coeficiente artístico”, deverá ficar entendido que não me refiro somente a grande arte, mas estou tentando descrever o mecanismo subjetivo que produz a arte em estado bruto – à l´état brut – ruim, boa ou indiferente.

No ato criador, o artista passa da intenção à realização, através de uma cadeia de reações totalmente subjetivas. Sua luta pela realização é uma serie de esforços, sofrimentos, satisfações, recusas, decisões que também não podem e não devem ser totalmente conscientes, pelo menos no plano estético. O resultado desse conflito é uma diferença entre a intenção e a sua realização, uma diferença de que o artista não tem consciência. Por conseguinte na cadeia de reações que acompanham o ato criador falta um elo. Esta falha que representa a inabilidade do artista em expressar integralmente a sua intenção; esta diferença entre o que quis realizar e o que na verdade realizou é o “coeficiente artístico” pessoal contido na sua obra de arte. Em outras palavras, o “coeficiente artístico” pessoal é como uma relação aritmética entre o que permanece inexpresso embora intencionado, e o que é expresso não intencionalmente.

A fim de evitar um mal entendido, devemos lembrar que este “coeficiente artístico” é uma expressão pessoal da arte à l’état brut, ainda num estado bruto que precisa ser “refinado” pelo público como o açúcar puro extraído do melado; o índice deste coeficiente não tem influencia alguma sobre tal veredicto. O ato criador toma outro aspecto quando o espectador experimenta o fenômeno da transmutação; pela transformação da matéria inerte numa obra de arte, um transubstanciado real processou-se, e o papel do público é o de determinar qual o peso da obra de arte na balança estética.

Resumindo, o ato criador não é executado pelo artista sozinho; o público estabelece o contato entre a obra de arte e o mundo exterior, decifrando e interpretando suas qualidades intrínsecas e, desta forma, acrescenta sua contribuição ao ato criador. Isto torna-se ainda mais óbvio quando a posteridade dá o seu veredicto final e, às vezes, reabilita artistas esquecidos.


*Ensaio já publicado no tyrannus, em 2016

 

man ray

duchamp

Henri-Robert-Marcel Duchamp (1887-1968) foi um franco-americano pintor, escultor, jogador de xadrez, e escritor cujo trabalho é associado ao cubismo , Dada e arte conceitual . Duchamp é comumente considerado, junto com Pablo Picasso e Henri Matisse , como um dos três artistas que ajudaram a definir os desenvolvimentos revolucionários nas artes plásticasnas primeiras décadas do século XX, responsável por desenvolvimentos significativos na pintura e escultura. Ele teve um imenso impacto na arte dos séculos XX e XXI e teve uma influência seminal no desenvolvimento da arte conceitual (Wikipédia)


Voltar  

Confira também nesta seção:
20.09.21 16h08 » A arte de habitar a poesia contemporânea
20.09.21 16h08 » Um autor genial
13.09.21 16h56 » Opisanie swiata
13.09.21 16h53 » Trajano para casar*
10.09.21 18h15 » Mitolândia
06.09.21 17h58 » "Corpo Interminável" (trecho)
06.09.21 17h58 » Pensamentos
30.08.21 19h00 » Dor de cabeça
30.08.21 19h00 » O vampiro de Curitiba*
30.08.21 19h00 » "Damas da Lua"*
16.08.21 21h00 » "O coronel e o lobisomem" (fragmento)
16.08.21 21h00 » Excesso de trabalho*
12.08.21 19h00 » Ao sabor
09.08.21 17h00 » De grande poeta dos EUA
09.08.21 17h00 » Madeira de lei!
02.08.21 17h40 » O livro infinito de Mallarmé*
02.08.21 17h40 » A lentidão que nos faltava*
30.07.21 15h14 » Força maior
26.07.21 19h00 » Pensamentos de uma autora aclamada
26.07.21 19h00 » Convite à poética de Santiago Villela Marques

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:


  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet