CONTO

O chapéu*



Planejei meticulosamente o assassinato de Manoel Soares. Podia fazê-lo com as próprias mãos; preferi, porém, contratar um pistoleiro.

Para que Isabel não sofra, ou não sofra tanto, é imprescindível  tirá-lo do caminho. Se eu próprio o matasse, o complexo de culpa iria atormentá-la, tornando impossível o grande e mais intenso amor de sua vida, fogo em que se tem consumido lentamente (emagrece e chora em silêncio, tem os olhos ardidos e o corpo trêmulo), e entre um gemido e outro de prazer  eles haveriam de ouvir seu riso sarcástico e maldoso.

Mas pra eliminá-lo da face da terra, arrancá-lo da cidade como se fosse uma erva maldita, foi preciso antes que eu o odiasse. Por isso, dia após dia – somos colegas de repartição -, procurei descobrir nele atitudes dissimuladas, falsidades, orgulho, mesquinharias que dessem motivação para levar adiante o meu intento. O ódio foi se  alimentando do conhecimento. Hoje pela manhã atingiu o limite máximo quando entreguei ao pistoleiro a quantia estipulada para o crime.

– Exatamente às vinte horas, todas às noites, ele sai de seu apartamento à rua G, prédio 203. Hoje é segunda-feira, portanto estará vestido de calça de linho branco, camisa azul-marinho e chapéu de feltro. Preste atenção ao chapéu. É um dos últimos homens a usá-lo nesta cidade. Atire assim que atravessar a porta de vidro do edifício.

O pistoleiro recuou e, sem dizer sequer uma palavra, saiu da sala.

Os muitos anos de convívio, e o plano longamente arquitetado, me possibilitaram conhecer todos os hábitos de Manoel Soares. Sim, não há possibilidade de engano. Exatamente às vinte horas estará na calçada, tirará o chapéu e baterá com a mão no feltro, como que a retirar o pó, olhará indeciso para ambos os lados e, enfim, optará pelo direito, caminhará quarenta e cinco minutos, ora fumando, ora assobiando  uma velha canção portuguesa, e depois retornará ao apartamento. Suponho que antes de dormir mergulhe a dentadura postiça num copo d'água, displicentemente.

Hoje, durante o expediente, surpreendi-o agitado em diversas circunstâncias, esfregando as mãos com impaciência. Duas ou três vezes foi ao banheiro, atitude totalmente inabitual.

Pressente alguma coisa? E se na hora H resolver não fazer o passeio? E se estiver com cólica? Um medo insconsciente? E se no exato momento passar pela rua um sujeito quelquer vestido de forma semelhante e o meu contratado disparar sobre um inocente?

Não. Absolutamente não é hora de pensar em tais possibilidades. Manoel Soares será assassinado dentro de cinco minutos. O relógio da sala avança para o instante fatal.

Vou apanhar o chapéu e descer de encontro à bala que me espera.


Reproduzido de http://pedrolusodcarvalho.blogspot.com.br/

ramiro furquim

ki

Charles Kiefer, escritor gaúcho que já ganhou o Jabuti duas vezes e já teve sua ficção adaptada para cinema e teatro várias vezes

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
20.08.17 19h06 » O homem que chamava Teresa
18.08.17 20h00 » Heróis*
16.08.17 20h00 » Culpa da Torloni*
14.08.17 20h00 » Borges no inferno*
12.08.17 20h00 » Data paterna
10.08.17 20h00 » Os Anões*
08.08.17 20h00 » Nossa amiga
06.08.17 20h00 » História de um fumador de haxixe*
04.08.17 20h00 » Malas que vêm de trem*
02.08.17 20h00 » Memória*
31.07.17 20h00 » Os beijos*
29.07.17 20h00 » A morte do porteiro*
27.07.17 20h00 » As três perguntas*
25.07.17 20h00 » A sétima árvore
23.07.17 20h00 » Sonhou que estava preso*
21.07.17 20h00 » O limão*
19.07.17 20h00 » Éramos mais unidos aos domingos*
17.07.17 20h00 » Amor é amor*
15.07.17 20h00 » Filosofia e o espelho da natureza*
13.07.17 20h00 » Berenice*

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet