POESIA
Corsíndio Monteiro da Silva


 

Incontido desejo*

 

Desejo da humilde liberdade!
Da liberdade de vagar pelas ruas,
sem horários e sem destino...
Liberdade de ser pobre
e de ser triste.
Liberdade de amar,
liberdade de ficar em silêncio
e de padecer minhas dores...

Ah! Ainda o incontido desejo de ser isento,
de ser eu mesmo:
tranquilo, plácido, vago,
tênue e ausente...
Na doce serenidade do desencanto...

 

*Reproduzido de http://www.academiadeletrasmt.com.br

 Corsíndio Monteiro da Silva (1918-2005), poeta brasileiro


ATENÇÃO: na quinta-feira (15) o tyrannus vai publicar o milésimo poema, sem repetição de versos ou poetas. 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/