Terça, 08 de maio de 2018, 18h03
LANÇAMENTO
“O filósofo do deserto”

Gerson Brasil no JB online

filosofo

 

"O medo do esquecimento apavora, por isso todos querem deixar suas pegadas.” “O mundo não me intimida só porque é violento ou caótico. Inquieta-me o que nele há de pequeno e silencioso, e a sua sedução fabricada.” Esses dois trechos são do romance “O filósofo do deserto” (Ed. Multifoco, 330 páginas), do escritor Márcio Salgado. O livro narra a história do filósofo Antônio Brás, refugiado e vivendo uma situação-limite.  

Não há personagens caudalosos ou trágicos. Brás, talvez seu alter ego, empreende uma viagem para consagrar sua inquietação. A literatura está nos autores de forma variada, e, quem sabe, isso seja seu grande logro. Nem sempre o leitor é surpreendido com grandiloquência ou tramas e desfechos encantadores. Há outros espaços. 

No caso deste livro, Antônio Brás, o livreiro Agostinho e Dolores são despistes para a escrita prosseguir seu caminho, entre dúvidas e comentários breves. Estamos falando de quase um relato, uma crônica filosófica, um texto que não deseja agarrar o leitor, impor-lhe uma avaliação, e, menos ainda, suscitar nele sinais de acomodação. “Então sigo tranquilo, no mesmo passo, pois é dessa forma que se percorrem os grandes desertos que separam os homens.” 

bras

António Manuel de Assunção Braz Teixeira (Lisboa, 21 de Julho de 1936) é um escritor, ensaísta, historiador, filósofo, docente universitário e tradutor português.

A narrativa de “O filósofo do deserto” leva o leitor a uma cumplicidade amorosa e divertida, sem a obrigatoriedade de gostar. Como se observa no prólogo do romance: “Escrevo com temor estas linhas, o ofício de escritor está fora do meu escopo. O leitor perguntará porque o faço. Logo direi, para que não se perca tempo e oportunidade: faço-o por um dever de consciência.” Sabe-se que as narrativas são multitudinárias, estão por toda parte, embalando romances, contos, tragédias, comédias e até mesmo bilhetes e cartas. Onde houver uma frase a narrativa está presente. 

Mas em “O filósofo do deserto”, a narrativa prescinde da história. Antônio Brás tece os seus comentários a partir das experiências vividas, mas de uma forma muito particular, sem se deter a aspectos comuns a outras ficções, como a obediência a um enredo preestabelecido. E o que dizer da mathesis encarnada nos personagens de um romance? Descartes defendia uma razão comum a todos os seres humanos, mas percebeu que o modo de usá-la diferia de pessoa para pessoa. Mas a razão aqui vem recheada de conflitos e paradoxos. Tomamos conhecimento de Dolores na sua rotunda afirmação: “Ah! Gosto de comparar coisas incomparáveis.” Estamos diante de uma escrita que prepara sua consciência, sem enunciar certezas, talvez um ioiô de gestos. “Admiro os que procuram o sentido da vida nos pequenos atos, os que riem dos seus dramas, glosam as suas tragédias. Quando digo tchau anuncio o começo de uma nova aventura, não determino como será o percurso. O viajante sabe que o desapego ilustra a paisagem.”

A narrativa – embora com séculos de afastamento – de alguma forma se encontra com a de Montaigne, que não empreendia caminho para dele voltar: “empreendo-o apenas para me mexer, enquanto o movimento me agradar.”

Segundo Marcio Salgado, o romance filosófico apresenta numa linguagem ficcional questões de natureza filosófica. “A filosofia produz conceitos e baseia-se na argumentação a fim de encontrar a verdade. A ficção produz metáforas, e não conceitos. Não busca a verdade, senão aquela que se depreende da sua própria invenção.” Márcio Salgado é baiano e mora no Rio há muitos anos. Publicou o romance “O domador” e a coletânea de poemas “O indizível”, entre outros livros. Graduado em Jornalismo, tem especialização em Teoria da Literatura, e doutorado em Comunicação Social (ECO/UFRJ).

*Texto do jornalista Gerson Brasil, reproduzido de http://www.jb.com.br

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/