Quinta, 07 de junho de 2018, 18h00
AUDIOVISUAL/MINC
+ mulheres, negros, índios e estreantes

Redação*

cine

Para ampliar a diversidade no setor audiovisual, os editais contam com cotas de 50% para novos realizadores, 50% para mulheres e 25% para negros e indígenas

A política de redução da desigualdade no setor audiovisual adotada pelo Ministério da Cultura (MinC) na primeira etapa do programa #AudiovisualGeraFuturo deu resultado. Entre os 1636 projetos inscritos até agora, 822 são de mulheres, 507 de negros e indígenas e 1362 de realizadores estreantes.

A primeira etapa do programa foi lançada pela Secretaria do Audiovisual (SAv) do MinC em fevereiro. São 11 linhas que beneficiarão cerca de 250 projetos, em um investimento total de R$ 80 milhões. É o maior pacote de editais já lançado pela SAv em número de projetos e volume de recursos. Para ampliar a diversidade no setor audiovisual, os editais contam com cotas de 50% para novos realizadores, 50% para mulheres e 25% para negros e indígenas.

O balanço parcial, divulgado pelo MinC durante reunião do Conselho Superior de Cinema, na terça-feira (5), diz respeito a oito editais que já tiveram as inscrições encerradas.

Para o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, o resultado preliminar das inscrições demonstra que a política de redução da desigualdade no setor audiovisual implementada pelo MinC é bem-sucedida. "Com base em estudo realizado pela Ancine (Agência Nacional do Cinema), verificamos a necessidade de estimular maior participação de mulheres, negros, indígenas e também de novos talentos no setor audiovisual. As cotas são uma tentativa inédita de corrigir as desigualdades deste mercado e estamos muito felizes em perceber que houve uma resposta positiva e que estamos no caminho certo", observou Sá Leitão. 

Diversidade 

O resultado obtido pelo edital de Desenvolvimento de Projetos - 200 anos da Independência do Brasil foi outra surpresa positiva do pacote de editais lançados pela SAv no início do ano. Foram 241 inscrições de todas as regiões do País, o que demonstra boa receptividade por parte do mercado e o acerto de se lançar esta linha. Do total de inscrições, 210 são de realizadores estreantes, 94 de mulheres e 71 de negros ou indígenas. Trinta e seis desses projetos serão selecionados e receberão um total de R$ 6 milhões do Fundo Setorial do Audiovisual. 

Um dos mais aguardados editais, o Documentário Afro-brasileiro e Indígena, foi o que mais concentrou inscrições. Ao todo, foram 319 propostas inscritas, sendo 165 de mulheres, 171 de negros ou índios e 294 de novos diretores. O processo final de seleção contemplará dez projetos de documentário a partir de 52 minutos, com temáticas voltadas à cultura afro-brasileira e indígena. Cada projeto receberá R$ 500 mil para realização da obra.

O edital Longa Animação, que selecionará cinco projetos de produção independente de obras audiovisuais brasileiras de longa-metragem de animação, voltadas para o público infantil, teve 64 projetos inscritos, sendo de 25 mulheres, 10 de negros ou índios e 25 que se enquadram no critério novo diretor. Serão projetos de produção independente de obras audiovisuais brasileiras de longa-metragem de animação, voltadas para o público de 0 a 12 anos, com valor individual de R$ 3,5 milhões por proposição.

O edital Documentário Infância e Juventude, um dos cinco editais destinados ao público infantil, recebeu 134 inscrições, sendo 69 de mulheres, 33 de negros ou índios e 115 de novos diretores. Para esta chamada também serão selecionadas dez propostas de obras documentais, a partir de 52 minutos de duração, que receberão R$ 500 mil cada.

Voltado para a criação de 21 obras audiovisuais independentes de curta-metragem, de até 13 minutos, o edital Curta Live Action, destinado ao público de 0 a 12 anos, recebeu 197 inscrições, sendo 128 de diretores estreantes, 103 de mulheres e 58 de negros e indígenas. 

O edital Séries Live Action, que selecionará cinco obras de minissérie de ficção, de 13 episódios de 7 minutos, voltadas ao público infatnil, recebeu 133 propostas, sendo 124 de diretores estreantes, 66 de realizadoras mulheres e 43 de negros e indígenas. 

Dentro ainda da temática da juventude, o edital de Jogos Eletrônicos contou com 144 propostas. Desse total, 119 são de estreantes, 43 de mulheres e 42 de negros e indígenas. O edital selecionará projetos para a criação de dez jogos eletrônicos de temática livre. 

Os editas Narrativas Transmídias para a Infância – Curtas Animação + Jogos Eletrônicos e Narrativas Transmídias para a Infância – Minissérie Animação + Jogos Eletrônicos têm inscrições abertas até o próximo dia 15 de junho. Já o edital Festivais, Mostras, Premiações, Eventos de Mercado e Ações de Promoção/Difusão da Produção Audiovisual Nacional, de fomento à realização de festivais, por ser de fluxo contínuo, permanecerá com as inscrições abertas. (*com assessoria do MinC)


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/