Quinta, 18 de fevereiro de 2021, 16h00
VAQUINHA VIRTUAL
"Hábito" será financiado pela Catarse

Beatriz Saturnino*

joçao miolo

Além de "cantautor", João é professor de instrumentos de cordas e de composição e arranjo na Escola de Música Bateras Beat Cuiabá

Os hábitos mudaram, o cenário mudou e as pessoas tiveram que se adaptar com a pandemia da Covid-19. Nesse turbilhão de emoções, o cantor, compositor e produtor cultural cuiabano, João Reis, que contribuiu com a sua arte durante o isolamento social, sem dinheiro e sem trabalho, teve que se reinventar e criou uma campanha de financiamento coletivo para conseguir apresentar o seu novo projeto: “Hábito”. Um álbum virtual que será financiado pela plataforma Catarse, cuja meta é arrecadar R$ 30 mil na campanha “Tudo ou nada”, onde a contribuição vale desde um caderninho com as letras das músicas, aulas de violão, acesso ao álbum virtual, à sarau e show exclusivo.

A ideia é mais que uma vaquinha virtual. João Reis convida o público apoiador do projeto a descobrir uma experiência artística com a cara do novo normal, onde há uma troca de arte e boa música, apresentando sete músicas, em sete cômodos, do álbum "Hábito", como recompensa pela contribuição.

No final do ano de 2019, o “cantautor” (que é o compositor que canta as próprias músicas), como se define João Reis, lançou o single “Uma quase”. Um show lindo no Cine Teatro Cuiabá, com a casa lotada, gente feliz, se abraçando, e estava tudo pronto para 2020. Um plano traçado e estava tudo certo, mas aí, todos sabem o que aconteceu: veio a pandemia e tudo parou!

joão miolo

A ideia é mais que uma vaquinha virtual. João Reis convida o público apoiador do projeto a descobrir uma experiência artística com a cara do novo normal

Os estúdios e as casas de show tiveram que fechar e como lidar com isso, como se faz música no meio disso tudo? Todos tiveram que se cuidar de uma forma nova e para quem pôde ficar em casa, cada canto do lar ganhou um novo significado.

“Esses pensamentos me sondaram e me assombraram durante dias, semanas até. Aí veio a necessidade e a vontade de expressar. E daí veio uma conversa curiosa com um produtor incrível, muito sensível lá de São Paulo, o Raul Misturada. E pronto, a gente plantou a ideia”, conta João.

Para Misturada, o disco de João fala muito sobre o compromisso de um artista com a sua verdade e sobre o fazer, o realizar.

“A  gente fez esse disco no meio da pandemia. Um disco que o João fez na casa dele, que ele se auto gravou e assumiu as limitações disso: com equipamentos simples, energia elétrica precária, muito barulho e ruído que pode interferir no som e em detalhes, que para a gente, produtor e músico, são muito importantes. Trabalhar onde a gente quer o silêncio e não existe, nessas limitações todas, é um ato de coragem”, ressalta Misturada.

O artista também teve que ter coragem para desapegar de quase todos os seus equipamentos musicais para investir neste álbum, ficando apenas com o primeiro violão que João ganhou dos amigos, o essencial para realizar o trabalho.

A gravação foi remota, dirigida por Raul Misturada e, no final, as vozes foram captadas e masterizadas em estúdio pelo engenheiro de áudio, Wel Ribeiro.

O resultado transmite o sentimento da consequência que essas mudanças trouxeram para a vida: mudança de rotina, de realidade, de hábito.

“Eu quero convidar você a fazer parte de uma jornada em 2021, uma vez que o projeto for financiado, você vai participar de uma experiência de sete meses. E o que é isso? Até novembro desse ano será lançada uma música por mês, focando na essência daquela canção e o seu cômodo”, convida João Reis.

Todas as faixas serão compiladas em um álbum digital e entregues a todos os apoiadores desta campanha de financiamento coletivo pelo Catarse.

TRAJETÓRIA

João Reis sempre foi um excelente compositor, ligado nos detalhes, nas letras e, prova disto, é o seu álbum Hábito, que está sensacional e precisa de ajuda para ser financiado.

Em 2014 estreou seu primeiro show autoral e desde então fez lançamentos de EPs, singles e clipes. Já participou de diversos shows com a cantora e compositora, Ana Rafaela, dividiu o palco com Fernando Anitelli, fundador do Teatro Mágico, e fez a abertura do show do Lenine, no projeto “Vem Pra Arena”, em 2016.

É professor de instrumentos de cordas e de composição e arranjo na Escola de Música Bateras Beat Cuiabá e, em 2019, representou o estado de Mato Grosso na III Mostra Nacional de Música da Sesc Escola de Ensino Médio, no Rio de Janeiro. Sem contar os vários trabalhos com o teatro.

 “Falar de João é falar de amor, poesia, de sonho. Esse menino é muito talentoso, trabalha muito bem, é muito honesto e criativo e é uma potência artística”, declara a cantora Ana Rafaela, amiga há mais de 10 anos do cantautor.

TUDO OU NADA

O financiamento foi lançado no último dia 02 de fevereiro com meta de arrecadar R$ 30 mil, em 30 dias (até o dia 06 de março), e no segundo dia conseguiu pouco mais de R$ 8 mil.

Para colaborar é muito fácil. Basta se cadastrar no site do Catarse, no link http://www.catarse.me/habito, selecionar uma das recompensas na página da campanha e contribuir. Os valores variam entre R$ 10, R$ 50, R$ 100, R$ 200, R$ 500, R$ 1 mil, R$ 2 mil ou mais, sendo alguns limitados. (*da assessoria)

 


Fonte: Tyrannus Melancholicus
Visite o website: http://www.tyrannusmelancholicus.com.br/