CARNAVAL CARIOCA

Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco



carna

A Império Serrano, que enredou o poeta Manoel de Barros em 2017, abre o desfile das escolas do grupo especial neste ano (foto de Valéria del Cueto)

Se o ano passado era crise, esse ano é perplexidade e arrependimento. O mundo do samba, declaradamente, ajudou a eleger seu principal algoz, o prefeito Marcelo Crivella.

Tem um quesito que as escolas são doutoras - e a cada ano aprimoram mais. A gestão do processo de produção carnavalesca envolve recursos e rubricas específicas de desembolso do início do segundo semestre em diante.

O corte na subvenção da prefeitura, sem aviso prévio e em cima da hora do repasse da primeira parcela da verba das escolas de samba (que só chegou no final do ano), foi apenas o prenúncio do desastre anunciado. A largada, dada com a fase inicial de produção nos barracões comprometida. Imaginem os efeitos nos grupos de Acesso. Eles só viram a cor do dindim oficial no dia 15 de janeiro, a menos de um mês do carnaval. Não adianta anunciar, no dia 11 de janeiro, R$ 38,5 milhões de patrocínios. Não há dinheiro que compre o tempo perdido de produção na gigantesca máquina da indústria do carnaval carioca de 2018.

O atraso piorou com a interdição da Cidade do Samba pelo Ministério do Trabalho, por mais de 30 dias, no último trimestre de 2017. Nesse período as escolas deveriam estar a pleno vapor produzindo fantasias, alegorias e carros. Para finalizar, nada de ensaios técnicos na Sapucaí. No lugar, a volta dos que não foram: foi anunciada com pompa e circunstância pela Riotur a Arena do Carnaval, na Barra da Tijuca. O “blocódromo” da Barra da Tijuca foi adiado 15 dias antes da folia e transferido para julho, acredite. Faltou gestão. Perdeu, Rio...

Mas o samba faz, essa dor dentro do peito ir embora”, então, vamos brincar mesmo com uma “atravessada” dessas...

Domingo de maratona: 7 agremiações

O poeta mato-grossense Manoel de Barros e suas miudezas embalaram o campeonato da Série A do Grupo de Acesso de 2017. É missão da comunidade da Serrinha abrir o desfile do Grupo Especial apresentando “O Império do Samba na Rota da China”, do carnavalesco Fábio Ricardo. “Deixa o povo cantar, matar a saudade do Império Serrano”.

Com “Academicamente Popular”, enredo de Jorge Silveira, a São Clemente avisa: “Hoje quem chorava vai sorrir!” e viaja pelos 200 anos da arte acadêmica na Escola de Belas Artes, fonte de tantos talentos do carnaval carioca.

carna

Mestre Rodrigo, aquele que comanda os ritmistas da Estação Primeira de Mangueira (foto de Valéria del Cueto)

O povo do samba é vanguarda popular”, ensina a Vila Isabel. “Corra que o futuro vem aí!” é o tema de Paulo Barros. O carnavalesco garantiu na apuração o campeonato de 2017 à Portela. Ele começa do fogo pré-histórico para imaginar onde chegaremos.

Não sou escravo de nenhum senhor...” avisam os compositores do belíssimo samba encomendado da Paraíso de Tuiuti. Jack Vasconcelos, seu carnavalesco, pergunta: “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão? A escola tenta superar a tragédia com seu carro alegórico ano passado.

Com “Vai para o trono ou não vai?” a Grande Rio homenageia Chacrinha. “Eu não vim para explicar, eu vou te confundir” é a dica do que esperar da estreia de do Mago Renato e Márcia Lage na escola de Caxias.

Leandro Vieira lançou o desafio: “Com dinheiro ou sem dinheiro, eu brinco”! E a Mangueira, sendo “mestre-sala na arte de improvisar”, responde batucando que “se faltar fantasia alegria há de sobrar, bate na lata pro povo sambar”.

A manhã vai chegar com a Mocidade Independente de Padre Miguel, protagonista de um episódio conturbado na Liga das Escolas de Samba, a Liesa. O que acabou, depois da abertura das justificativas dos jurados de 2017, lhe dando, também, o título de campeã, dividido com a Portela. E aí, “Padre Miguel chamou Shiva pro carnaval” no enredo de Alexandre Louzada “Namastê... A Estrela que habita em mim saúda a que existe em você”. “Pela tolerância entre os desiguais”, Altay Veloso e Paulo César Feital lideram o grupo de compositores que evocam “Nehru, Dom Hélder, Chico Xavier” em busca do “triunfo do bem e da fé”.

Ordem do desfile de domingo: Império Serrano, São Clemente, Vila Isabel, Paraíso de Tuiutí, Grande Rio, Mangueira e Mocidade

OBSERVAÇÃO: O samba fala por si. Os textos em itálico foram pinçados das letras das composições das respectivas escolas.

valéria del cueto

carna

Camila Silva, rainha da bateria da Mocidade Independente de Padre Miguel

 

*Valéria del Cueto é jornalista, fotógrafa e gestora de carnaval. Da série “É carnaval”, do SEM   FIM...  delcueto.wordpress.com

 


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet