EXETINA KOPENOTI

Percorre seis municípios de MT



téo miranda

terena

 

Como surgiu o mundo e histórias de espertezas  permeiam o projeto "Exetina Kopenoti", uma iniciativa da atriz Alicce Oliveira e da pesquisadora Naine Terena. A largada acontece nesta quinta-feira (12).

As atividades vão percorrer seis municípios mato-grossenses até o começo do mês de maio, através do Edital Circula MT, do Governo do Estado, através da Secretaria de Estado de Cultura. As primeiras apresentações acontecem em duas aldeias Terena, localizadas nos municípios de Peixoto de Azevedo e Matupá: Kuxoneti Poke´e e Kopenoty,respectivamente.

Para que acontecesse a apresentação nestes locais, uma força tarefa demobilização foi realizada em conjunto com as comunidades. Estão na produção local, os professores Terena Juarez Terena Pahukoty, Sane Martins e Samuel Colman, além do apoio dos caciques Sidnies Delfino Duarte (da aldeia Kuxoneti Poke´e) e José Carlos Firmo (da aldeia Kopenoty).

A ideia do Projeto é levar ao público a riqueza da cultura indígena existente no Estado (que tem mais de 40 povos), ao mesmo tempo que dá visibilidade às comunidades Terena em Mato Grosso. Uma das característica culturais dos Terena é o senso nômade, por ter fortes traços comerciantes, o que os levou a cruzar diferentes regiões do país realizando trocas e vendas. Outro ponto forte de sua cultura é a agricultura. 

Há séculos os Terena são descritos como exímios agricultores por indigenistas, viajantes e pesquisadores com os quais já tiveram contato. Em Mato Grosso suas terras foram demarcadas após uma grande luta e terem vivido com outros povos indígenas. Por este motivo, é comum referir-se a este povo como oriundo de Mato Grosso do Sul, mas cabe lembrar que as Fronteiras nacionais são divisões políticas e diferentes povos indígenas, mantém fluxos e mobilidades que cruzam essas fronteiras, como é o caso de Mato Grosso, que só se tornou dois estados, após a divisão, ficando grande parte dos Terena em Mato Grosso do Sul.

tv ufmt

terena

Naine Terena: projeto que expande a interculturalidade

A montagem e palestra show

Originários do povo Terena, os mitos foram retirados de  obras literárias escritas por pesquisadores, relatos e informações obtidas  no decorrer da montagem da produção. Para isso, a montagem tem a duração de 40 minutos e será seguida de uma palestra show, onde Alicce Oliveira fala de técnicas e da importância de se contar histórias. Na palestra, Alicce apresenta ao público seus instrumentos de trabalho e formas de construção das narrativas.

Para montar o espetáculo, a pesquisa tem sido bastante extensa, explica Naine Terena. "A parceria é bastante frutífera, pois, trazemos para a cena, um pouco de nossas experiências e a interculturalidade. Dialogamos de forma conjunta e com informações consistentes, o que valoriza tanto a atriz, que aceita o desafio de entrar em cena numa produção inédita para ela, quanto para mim enquanto coordenadora artística da proposta, que retomo o caminho das artes", frisa Naine.

A atriz Alicce Oliveira conta que esta é a primeira vez que faz um trabalho como este e que terá a honra de visita aldeias indígenas para compartilhar histórias. "Fazer parte deste projeto está sendo uma das melhores fases da minha profissão de atriz”, diz Alicce.

téo miranda

terena

 

Todo o processo da pesquisa teve como roteiro a participação na oficina com os Terenas, para aprender a dança, o idioma, conhecer as histórias, os costumes e a cultura, foram de extrema importância para a montagem do Espetáculo. "Pela oportunidade agradeço a parceria com a Naine Terena e toda a equipe que torna este projeto possível de ser realizado. Narrar histórias é uma prática tão antiga, uma forma de resistência e valorização da memória coletiva e cultural de uma comunidade. Tenho certeza que será um lindo encontro entre culturas", finaliza Alicce.

O Projeto está sendo construído em várias mãos. Cenários, ornamentos,figurinos, contam com a participação direta de indígenas. A pintura dos painéis, foi feito pela professora de Língua Terena, Alessandra Dias. O bordado  da bolsa, pela enfermeira Zuleica Thiago, também Terena. Colares, cintos e ornamentos, foram adquiridos dos artesãos deste povo. O figurino inspirado na cerâmica e grafismos, foi confeccionado por Karine Matos, a partir da pesquisa que a equipe realizou nos primeiros meses de construção do espetáculo. A atriz Juliana Graziela também tem a mão no projeto, na confecção de alguns dos objetos de cena.

Da aldeia ao Quilombo - atividades gratuitas

Após visitar as duas aldeias Terena, o Projeto passará pelo Quilombo Mata Cavalo, no município de Nossa Senhora do Livramento. A apresentação do espetáculo acontece as 10h e a palestra show as 14h, na escola Escola Estadual Tereza Conceição Arruda. 

Em Mata Cavalo o trabalho faz parte de um intercâmbio organizado junto a professora Lucilene de Pinho Ferreira,Coordenadora do grupo de dança afro e Hip hop Quilombola, além da diretora da escola Eliane Mari Arruda. No dia 19 de abril, será a vez de Santo Antonio do Leverger receber o projeto, que acontecerá na Câmara dos Vereadores do município, também as 10h (apresentação) e 14h horas(palestra show).

Mais informacões podem ser obtidas no evento criado na rede social facebook: https://www.facebook.com/events/183448728953620/ . Ou através do watsapp: (65) 98118-1618. (*com assessoria)

téo miranda

terena

A atriz Alicce Oliveira encarnando a rica cultura Terena


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet