FESTIVAL DE ROTERDÃ

O 1º longa-metragem de Madiano Marcheti



madalena

Longa-metragem denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+

“Madalena” é o primeiro longa-metragem de ficção de Madiano Marcheti, cineasta nascido em Mato Grosso. Ao lado de outra produção brasileira, "Carro rei", de Renata Pinheiro; "Madalena" representa o Brasil no Festival Internacional de Cinema de Roterdã em 2021. 

Roterdã é a segunda principal cidade da Holanda e o seu festival de cinema, que acontece desde 1972, segundo a wikipédia, está entre os cinco principais eventos cinematográficos da Europa, ao lado dos festivais de Cannes, Veneza, Berlim, e de Locarno.  "Madalena" foi selecionado para a competição oficial do Festival que, neste ano, acontece em duas etapas, entre 1º e 7 de fevereiro e 2 e 6 de junho de 2021, em formato híbrido - presencial e online.

Vale o registro de que o filme representou o Brasil no Festival de San Sebastian, na Espanha, na categoria Working in Progress, em 2019. A produção é da PóloFilme e da Raccord, em coprodução com Vira Lata e Terceira Margem.  No Brasil, será distribuído pela Vitrine Filmes.

madalena

"Madalena" foi selecionado para a competição oficial de um dos mais importantes festivais da Europa

“Madalena" foi rodado em Dourados (MS) e tem mais de 20 atores no elenco, sendo a maioria atores locais. A trama começa com o corpo da personagem título,"Madalena", encontrado em uma plantação de soja. Na sequência,  acompanha a história de três jovens, que vivem contextos diferentes em uma mesma cidade. Embora não se conheçam, o espírito de Madalena que esvoaça sobre a cidade, torna-se um elo entre os três. O longa denuncia a violência constante do país que mais mata a população LGBTQIA+. 

O diretor

Madiano Marcheti nasceu em Porto dos Gaúchos (MT), cresceu em Sinop e aos 18 anos mudou-se para Cuiabá. Gostava de teatro, estudou comunicação na UFMT e depois  optou por cinema, que cursou na PUC, no Rio de Janeiro, onde viveu alguns anos. Atualmente está radicado na Suíça.

O cineasta explica que seu filme faz um apelo por mais empatia no mundo, para que não sejamos omissos diante de brutalidades e, principalmente, para que deixemos de naturalizar violências contra pessoas e contra o planeta.

"Depois de cinco anos debruçado sobre a realização de 'Madalena', agora apenas me sinto muito grato, feliz e honrado por poder levar um trabalho que envolveu tanta gente a uma janela importante, como é a do Festival de Roterdã", conclui Madiano para o tyrannus, via whatts up. 

madiano

O cineasta explica que seu filme faz um apelo por mais empatia no mundo, para que não sejamos omissos diante de brutalidades


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet