PALESTRA

Gratuita, acontece no Arsenal às 19h30



matheus dias

José Castello já ganhou o Jabuti duas vezes

O carioca José Castello é uma das mais atuantes figuras da literatura brasileira hoje em dia. Biografias, críticas, crônicas e romances estão em seu repertório. Chego a duvidar que Castello não tenha na sua produção poemas e contos. E terei a chance de perguntar isso a ele nesta quarta-feira (24/04), no Sesc Arsenal, onde ele fará a palestra "Manoel de Barros entre gigantes: uma poesia do menor". Às 19h30 e tenho quase que uma certeza absoluta de que a palestra é gratuita. Em todo caso, não custa telefonar e confirmar: 3616 6922.

Desejamos toda a inspiração e toda a sorte do mundo para Castello nesse empreendimento oral, uma vez que Manoel de Barros é muito querido aqui em Cuiabá. Um pouco,porque ele nasceu aqui, mas, muito mais, pela qualidade de seus versos e pela identificação comum para com as letras desse poeta, que costuma acometer seus leitores que já experienciaram e/ou conhecem nossa paisagem rural, seus elementos e ícones. Tá tudo ali, na obra 'manoelina'.

"Vivemos em um mundo de recordes econômicos, de marcas olímpicas, de projeções e balancetes. Um mundo em que o tamanho e o poder se tornam a grande utopia humana. Um mundo de multidões, de pessoas cheias de si, de griffes, crachás e hierarquias, em que tudo se fragmenta, se dilui e se empobrece. Nesse mundo obcecado pela vitória, pelo desempenho e pelo sucesso, a poesia se torna o lugar das coisas frágeis e desprezíveis. O lugar, por excelência, do fracasso, do delicado e do menor. Poucos poetas brasileiros contemporâneos adentram esse mundo sutil com a sensibilidade de Manoel de Barros". É isso que contém o pequeno texto que divulga a palestra de Castello, no site do Sesce Arsenal. E diz mais:

"Para Manoel, o grande está no pequeno. O forte, no fraco. O poderoso, no impotente. A riqueza, na pobreza. A poesia se torna, assim, um instrumento capaz de inverter a ordem do mundo, para observá-lo pelo avesso. Um instrumento de acesso a um segundo mundo, desprezado, esquecido, considerado “inútil”, no qual, no entanto, encontramos as coisas fundamentais."

Bom, se você já leu até aqui, continue e saiba um pouquinho mais sobre José Castello. Diário de Notícias, O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo, Veja, IstoÉ, Opinião, Rascunho e até a Playboy. São alguns dos veículos mais famosos que contam ou já contaram com seus textos.

Ele esteve por aqui já algumas vezes. Volta e meia... volta. Em seu currículo estão dois prêmios Jabuti: um em 94, com "Vinicius de Moraes: O Poeta da Paixão" (Companhia das Letras), e outro com "Ribamar" (Bertrand Brasil), de 2011. Ele escreveu também "Na Cobertura de Rubem Braga" (José Olympio/1996), "Uma Geografia Poética" (Relume-Dumará/Rioarte/1996), "João Cabral de Melo Neto: O Homem sem Alma" (Editora Rocco/1999), "O Inventário das Sombras" (Record/2001), "Fantasma" (Record/2003), "As melhores crônicas de José Castello" (Global Editora/2004), "Pelé: Os Dez Coraçôes do Rei" (Ediouro/Sinergia/2007) e "A Literatura na Poltrona" (Record/2010).

E amanhã, quinta (25), às 16 horas, Maurício Leite faz a palestra "Viagem ao Mundo dos Livros", onde relata sua experiência em promoção de leitura na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet