PALESTRA

Gratuita, acontece no Arsenal às 19h30



matheus dias

José Castello já ganhou o Jabuti duas vezes

O carioca José Castello é uma das mais atuantes figuras da literatura brasileira hoje em dia. Biografias, críticas, crônicas e romances estão em seu repertório. Chego a duvidar que Castello não tenha na sua produção poemas e contos. E terei a chance de perguntar isso a ele nesta quarta-feira (24/04), no Sesc Arsenal, onde ele fará a palestra "Manoel de Barros entre gigantes: uma poesia do menor". Às 19h30 e tenho quase que uma certeza absoluta de que a palestra é gratuita. Em todo caso, não custa telefonar e confirmar: 3616 6922.

Desejamos toda a inspiração e toda a sorte do mundo para Castello nesse empreendimento oral, uma vez que Manoel de Barros é muito querido aqui em Cuiabá. Um pouco,porque ele nasceu aqui, mas, muito mais, pela qualidade de seus versos e pela identificação comum para com as letras desse poeta, que costuma acometer seus leitores que já experienciaram e/ou conhecem nossa paisagem rural, seus elementos e ícones. Tá tudo ali, na obra 'manoelina'.

"Vivemos em um mundo de recordes econômicos, de marcas olímpicas, de projeções e balancetes. Um mundo em que o tamanho e o poder se tornam a grande utopia humana. Um mundo de multidões, de pessoas cheias de si, de griffes, crachás e hierarquias, em que tudo se fragmenta, se dilui e se empobrece. Nesse mundo obcecado pela vitória, pelo desempenho e pelo sucesso, a poesia se torna o lugar das coisas frágeis e desprezíveis. O lugar, por excelência, do fracasso, do delicado e do menor. Poucos poetas brasileiros contemporâneos adentram esse mundo sutil com a sensibilidade de Manoel de Barros". É isso que contém o pequeno texto que divulga a palestra de Castello, no site do Sesce Arsenal. E diz mais:

"Para Manoel, o grande está no pequeno. O forte, no fraco. O poderoso, no impotente. A riqueza, na pobreza. A poesia se torna, assim, um instrumento capaz de inverter a ordem do mundo, para observá-lo pelo avesso. Um instrumento de acesso a um segundo mundo, desprezado, esquecido, considerado “inútil”, no qual, no entanto, encontramos as coisas fundamentais."

Bom, se você já leu até aqui, continue e saiba um pouquinho mais sobre José Castello. Diário de Notícias, O Estado de São Paulo, Jornal do Brasil, O Globo, Veja, IstoÉ, Opinião, Rascunho e até a Playboy. São alguns dos veículos mais famosos que contam ou já contaram com seus textos.

Ele esteve por aqui já algumas vezes. Volta e meia... volta. Em seu currículo estão dois prêmios Jabuti: um em 94, com "Vinicius de Moraes: O Poeta da Paixão" (Companhia das Letras), e outro com "Ribamar" (Bertrand Brasil), de 2011. Ele escreveu também "Na Cobertura de Rubem Braga" (José Olympio/1996), "Uma Geografia Poética" (Relume-Dumará/Rioarte/1996), "João Cabral de Melo Neto: O Homem sem Alma" (Editora Rocco/1999), "O Inventário das Sombras" (Record/2001), "Fantasma" (Record/2003), "As melhores crônicas de José Castello" (Global Editora/2004), "Pelé: Os Dez Coraçôes do Rei" (Ediouro/Sinergia/2007) e "A Literatura na Poltrona" (Record/2010).

E amanhã, quinta (25), às 16 horas, Maurício Leite faz a palestra "Viagem ao Mundo dos Livros", onde relata sua experiência em promoção de leitura na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP)


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet