EVENTO TEMÁTICO

Rio Festival de G & S no Cinema



t

O documentário brasileiro "Amores Santos", de Dener Giovanini, abriu o Festival. Aborda o submundo do sexo envolvendo religiosos

Até 2015 com o nome de Rio Festival Gay de Cinema, o evento anual que exibe uma seleção nacional e internacional de filmes sobre gênero e sexualidade tem nova denominação a partir desta sexta edição, aberta na quinta-feira (07/07) passada.

Agora a nominação é Rio Festival de G & S no Cinema. Vai apresentar até o próximo dia 17, em diversos espaços culturais da cidade, cerca de 150 filmes nacionais e internacionais, distribuídos por nove mostras, algumas competitivas.

A mudança de nome buscou atender à amplitude da temática do festival.  “Nós precisávamos de uma denominação que correspondesse à curadoria dos filmes, que fosse um identificador dos filmes que falam de sobre todos os gêneros e sexualidades”, explicou o diretor e curador do festival, Alexander Mello.

Os documentários de longa e de curta-metragem dominam a programação, a exemplo das edições anteriores, um fato que revela a importância do gênero em registrar o que está ocorrendo no Brasil e no mundo com relação às questões que envolvem a sexualidade. Mas a ficção também está presente, inclusive em uma nova mostra – Sombrio – que reúne curtas de terror, horror e comédia assustadora.

Outra programação, Cinema Explícito, abre espaço para  filmes raros e transgressores, da era do cinema mudo ao underground contemporâneo, que serão exibidos em uma sessão comentada pelo crítico e professor de cinema Rodrigo Gerace. Também há uma mostra dedicada à diversidade sexual em filmes de animação. 

Na sessão de abertura (07/07), no Cine Odeon, na Cinelândia, centro do Rio, foi exibido o documentário brasileiro "Amores Santos", do cineasta Dener Giovanini. Produção destinada a despertar polêmica, o filme aborda o submundo do sexo envolvendo religiosos, que contrasta com a hipocrisia dos discursos homofóbicos. É um filme que teve grande repercussão na mídia internacional.

“O diretor Giovanni selecionou os melhores depoimentos, entre cerca de 3 mil religiosos ouvidos no Brasil e no exterior”, disse Alexander Mello.  “O documentário trata de situações de sexo explícito na internet envolvendo religiosos, mas principalmente toca em um assunto muito importante, que tem a ver com a origem desses crimes de ódio que têm acontecido no Brasil e no exterior. O discurso errôneo desses líderes religiosos acaba vitimando toda a sociedade, principalmente os homossexuais”.

Vários outros filmes da programação abordam situações de agressão e falta de respeito com homossexuais e transexuais. “O assunto está muito presente, por exemplo, nas mostras de curta-metragens, tanto nacionais como internacionais”, disse Mello.

t

O longa francês "Where There is Shade", de Nathan Nocholovitch e da atriz e co-roteirista Clo Mercier, é destaque na mostra


Crossdresser

O júri do festival e o público, com voto dado após as sessões, decidirão quais serão os filmes premiados nesta edição. A cerimônia está marcada para às 19h do dia 15, no Espaço Cultural BNDES, com a exibição do longa francês Where There is Shade, do diretor Nathan Nocholovitch e da atriz e co-roteirista Clo Mercier.

O filme conta a história de um crossdresser francês que vive como prostituta em Phnom Penh, no Camboja, e do sentimento de paternidade que surge a partir de seu encontro com uma criança traficada. “São histórias assim que ampliam a temática do festival”, disse o diretor do evento.

A programação completa, com horários das sessões e preços dos ingressos, está disponível no site riofgc.com . (*da Agência Brasil)


Voltar  

Confira também nesta seção:

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet