ARTIGO

Na verdade, pátria “deseducadora”



Bela frase de marketing! Mas, na verdade o que temos é uma “pátria deseducadora”, com exemplos dos nossos maiores dirigentes sem ética nenhuma no trato com coisas públicas.

Como acreditar em “pátria educadora” em um país em que a maior parte dos nossos municípios não possui o mínimo de condições para oferecer aos seus alunos um razoável ensino básico?

Nessas condições, aqueles que ultrapassam o nó do ensino médio e chegam às nossas universidades, muitas vezes não apresentam condições para participar de certos cursos, como por exemplo, engenharia civil, se não tiverem aulas de recuperação em matemática.

A expansão irresponsável do nosso ensino superior, sem cuidados com a qualidade do ensino básico, nos fez chegar ao FIES, que é um programa social revestido com o nome de Fundo de Financiamento Estudantil para custear o estudo de jovens sem recursos para frequentar as universidades privadas, maioria neste país.

Feito às pressas, aquele programa está condenado ao fracasso, deixando em situação difícil milhares de jovens universitários e suas respectivas instituições.

O governo tem de assumir o comando da educação por ser fator decisivo para o nosso desenvolvimento social e econômico.

Para isso é necessário que a “Pátria educadora” absorva o ensino básico nos municípios pobres, como bem lembra o educador e Senador Cristovam Buarque.

Criar slogans e deixar a banda passar não resolverá em nada as nossas necessidades de produzirmos doutores para o mundo competitivo do conhecimento.

“Nossas escolas são do século XIX, com professores do século XX e alunos do século XXI”.

Não sendo atrativa, a evasão escolar no ensino médio continua a ser o nosso maior desafio.

Educação é prioridade nacional, dizem todos, porém, nunca multidões saíram às ruas reivindicando esta melhoria.

Quando o Senador Cristovam Buarque foi candidato à Presidência da República, o seu programa de governo se resumia em apenas uma prioridade: Educação.

Foi até debochado no Programa da Rede Globo, que disse ser ele o candidato de uma proposta só, e que isso interessaria a todos os brasileiros.

Apuradas as eleições, o educador obteve 2% dos votos dos brasileiros.

O governo tem de demonstrar com atos concretos que, realmente, a educação é a nossa necessidade primeira.

Às ruas povo brasileiro, por uma educação de qualidade! - poderia ser a próxima marcha.


*Gabriel Novis Neves foi reitor da UFMT e está sempre por aqui


Voltar  

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet