POESIA

José Eduardo Martins de Barros Melo

O vaso*

O poeta escreve pra dentro
Do vaso que não tem flora
Nem fora que não tem flores
Como esta estrofe
Como este vaso que não se quebra
Que não sequela palavra
Cacos da cola flora de chão
Cerâmica verde
O poeta escreve por dentro
Argamando a massa
Futuro vaso que há
Futuro vaso de ar
Que se espalha espelho
De outro vaso nobre.

 

*Reproduzido de http://versudiveersus.blogspot.com

José Eduardo Martins de Barros Melo, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.09.19 18h00 » José Eduardo Martins de Barros Melo
11.09.19 21h00 » Denise Freitas
08.09.19 19h30 » Milan Dekleva
05.09.19 12h00 » Mailson Viana
02.09.19 00h10 » Miltos Sachtouris
29.08.19 12h00 » Guilherme R. B. de Araujo
26.08.19 12h00 » H. Dobal
22.08.19 19h00 » Leilah Accioly
19.08.19 17h00 » Dorottya Bánkövi
15.08.19 18h00 » Hart Crane
12.08.19 10h28 » Moacyr Sacramento
08.08.19 18h00 » Dante Gatto
05.08.19 16h00 » Li He
02.08.19 23h30 » Leni Zilioto
31.07.19 20h00 » Jim Morrison
29.07.19 12h00 » Anderson Danyell
26.07.19 21h00 » Carlos Willian Leite
24.07.19 19h00 » William Wordsworth
22.07.19 13h00 » Jorge Riechmann
20.07.19 00h30 » Miguel Torga

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet