POESIA

Célia Musilli

Dissonante

 

anda tudo tão igual como um saco de laranjas
o uniforme das enfermeiras
a caixa de ovos
o maço de cigarros
os guardas de trânsito
os pensamentos monótonos
os círculos de fumaça
os quiosques de sorvete
os homens que param para ver mulheres
fingindo que perderam documentos
e todo mundo sabe que é mancada

por isso abandonei os estojos
as simetrias
os aros das bicicletas
as cartas de demissão
os contratos
os baralhos e as dentaduras
os elogios e as advertências
as contas de farmácia
fui atrás de um poema para explodir rebanhos


quero desinventar a letra
matar o rococó
o barroco dos sentidos
volto quando desintegrar a língua

 

*Reproduzido de http://www.candido.bpp.pr.gov.br

 

Célia Musilli, poeta brasileira


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.11.17 18h30 » Maria Tereza Horta
19.11.17 18h00 » José Laurenio de Melo
17.11.17 17h56 » Lu Menezes
15.11.17 18h35 » Ricardo Aleixo
13.11.17 18h30 » Nicolai Zabolótzki
11.11.17 19h00 » Kányádi Sándor
09.11.17 19h30 » Célia Musilli
07.11.17 18h48 » Ana Beise
05.11.17 19h00 » Leo Cunha
03.11.17 19h00 » Roge Weslen
01.11.17 19h00 » Marcelo da Veiga
30.10.17 18h56 » Wender Souza
28.10.17 18h47 » Divanize Carbonieri
26.10.17 18h48 » Edra Moraes
24.10.17 20h45 » Linda Maria Baros
22.10.17 18h00 » Victor Heringer
20.10.17 17h00 » Tahar Ben Jelloun
18.10.17 19h00 » Jorge Tufic
16.10.17 18h23 » Carlito Azevedo
14.10.17 19h00 » Ana Paula Tavares

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet