POESIA

Maria Tereza Horta

A Vagina

 

É cálida flor
E trópica mansamente
De leite entreaberta às tuas
Mãos

 

Feltro das pétalas que por dentro
Tem o felpo das pálpebras
Da língua a lentidão

 

Guelra do corpo
Pulmão que não respira

 

Dobrada em muco
Tecida em água

 

Flor carnívora voraz do próprio
suco
No ventre entorpecida
Nas pernas sequestrada

 

 

Maria Tereza Horta, poeta de Portugal


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.05.18 17h45 » Amauri Lobo
22.05.18 18h00 » Dante Milano
20.05.18 17h41 » Itamar Assumpção
18.05.18 17h34 » Dick Marques
16.05.18 18h00 » Haydar Ergulen
14.05.18 18h00 » Reiner Kunze
12.05.18 18h00 » Maria Balé
10.05.18 18h00 » Rui Knopfli
08.05.18 18h00 » Moisés Carlos Amorim
06.05.18 18h00 » Claudio Daniel
04.05.18 18h00 » Janete Manacá
02.05.18 18h00 » Caê Guimarães
30.04.18 18h00 » Mário Cesariny
28.04.18 18h00 » Gonzalo Rojas
26.04.18 18h00 » Myriam Fraga
24.04.18 17h56 » Mariana Botelho
22.04.18 18h00 » João Ricardo Scortecci de Paula
20.04.18 17h20 » Kabir
18.04.18 18h40 » Kobayashi Issa
16.04.18 18h30 » Giorgio Caproni

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet