POESIA

Maria Tereza Horta

A Vagina

 

É cálida flor
E trópica mansamente
De leite entreaberta às tuas
Mãos

 

Feltro das pétalas que por dentro
Tem o felpo das pálpebras
Da língua a lentidão

 

Guelra do corpo
Pulmão que não respira

 

Dobrada em muco
Tecida em água

 

Flor carnívora voraz do próprio
suco
No ventre entorpecida
Nas pernas sequestrada

 

 

Maria Tereza Horta, poeta de Portugal


Voltar  

Confira também nesta seção:
13.12.17 19h00 » Anne Ellen
11.12.17 17h49 » Ismar Tirelli Neto
09.12.17 18h00 » Julio Bepré
07.12.17 20h00 » Sandro Penna
05.12.17 19h00 » Paulo Augusto
03.12.17 18h00 » Álvaro Mutis
01.12.17 18h45 » Nikola Vaptsarov
29.11.17 19h00 » Émile Verhaeren
27.11.17 19h00 » Marina Mara
25.11.17 19h00 » Miró da Muribeca
23.11.17 18h27 » Reiner Kunze
21.11.17 18h30 » Maria Tereza Horta
19.11.17 18h00 » José Laurenio de Melo
17.11.17 17h56 » Lu Menezes
15.11.17 18h35 » Ricardo Aleixo
13.11.17 18h30 » Nicolai Zabolótzki
11.11.17 19h00 » Kányádi Sándor
09.11.17 19h30 » Célia Musilli
07.11.17 18h48 » Ana Beise
05.11.17 19h00 » Leo Cunha

Agenda Cultural

  • Em Cartaz:
  • 'Natal Iluminado"
  • Dia: 09 de dezembro
  • Local: Praça Alencastro
  • Informações: no link
Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet