POESIA

Émile Verhaeren

 

Vida ardente*

 

Meu coração, eu o preenchi com o belo tumulto humano.
Tudo o que foi vivo e ofegante na terra,
Audácia louca, vontade surda, ardor austero
E a revolta de ontem e a ordem de amanhã
Não esfriou-os, para poder julgá-los, meu pensamento.
Carvões escuros, transformei-vos num grande fogo de ouro,
Exaltando apenas sua chama e seu volante crescimento,
Que misturavam seu esplendor à vida angustiada.
E vós, iras, virtudes, vícios, fúrias, desejos,
Eu acolho a todos vós com todos vossos contrastes,
Para que seja mais longo, mais complexo e mais vasto
O maravilhoso frêmito que me fez estremecer.
Meu próprio coração só vive bem quando se esforça.
A humanidade total necessita de um tormento
Que aja sobre ela com furor, como um fermento,
para ampliar-lhe a vida e levantar-lhe a força.

 

*Reproduzido de https://acasadevidro.com/ , tradução de Mário Faustino e do site

 

Émile Verhaeren (1855-1916), poeta da Bélgica


Voltar  

Confira também nesta seção:
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins
07.06.18 18h00 » Tove Jansson
05.06.18 17h17 » José Araújo
03.06.18 18h00 » Ataol Behramoglu
01.06.18 17h20 » João Apolinário
30.05.18 18h00 » Luis Cernuda
28.05.18 17h45 » Novalis
26.05.18 17h56 » Corsino Fortes
24.05.18 17h45 » Amauri Lobo
22.05.18 18h00 » Dante Milano
20.05.18 17h41 » Itamar Assumpção
18.05.18 17h34 » Dick Marques
16.05.18 18h00 » Haydar Ergulen
14.05.18 18h00 » Reiner Kunze

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet