POESIA

Álvaro Mutis

Sonata
 

Outra vez mais te trouxe a mão do tempo
ao círculo de meus funéreos sonhos.
Tua pele, certa umidade salina,
teus olhos assombrados de outros dias,
vieram com tua voz, com teu cabelo.
O tempo, menina, que trabalha
como loba que enterra sua ninhada,
como ferrugem nas armas de caça,
como sargaço na quilha do navio,
como língua que lambe o sal do sono,
como o ar que se escapa das minas,
como trem na escuridão dos ermos.
Do seu trabalho opaco nos nutrimos
como pão ázimo ou rançosa carne
secada à febre de todos os guetos.
Sob a sombra do tempo, amiga minha,
uma água mansa de açude me devolve
o que guardo de ti para ajudar-me
a chegar ao final de cada dia.

 

Álvaro Mutis (1923-2013), poeta da Colômbia

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br , com tradução de Geraldo Holanda Cavalcanti


Voltar  

Confira também nesta seção:
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge
26.10.18 19h00 » Fernando José Karl
24.10.18 18h00 » Nicodemos Sena
22.10.18 17h00 » Charles Simic
19.10.18 18h46 » Mario Angel Quintero
17.10.18 18h00 » Geruza Zelnys
15.10.18 17h00 » Filipa Leal
12.10.18 18h39 » Javier Ávila
10.10.18 17h00 » Nelly Sachs
08.10.18 17h00 » Rosana Chrispim
05.10.18 17h00 » António Ramos Rosa
03.10.18 17h00 » Eileen Myles
01.10.18 17h30 » Adelaide Ivánova
28.09.18 17h00 » Cristina Campo

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet