POESIA

Ismar Tirelli Neto

 

O Pulôver

Este é meu pulôver favorito
sem um retrato
do meu pulôver favorito.
Roçam-se os puídos no trem,
caminho do trem,
parado no cabideiro.

Parado no cabideiro
(ponto
de onde não se pode mais recuar
sem resvalar-se pela metafísica)
ele não faz
vagão,
rampas de concreto
do outono para o inverno,
nada.

 

Parado no cabideiro,
o pulôver não é senão
uma trama, uma entre tantas.

 

Neste pormenor, lembra um pouco
uma valise prateada
que me pediram certa vez para olhar.

 

Sob os pés de outra pessoa,
já não sei que cor teria.

 

Desnecessário dizer.
Desnecessário dizer.

 

Ismar Tirelli Neto, poeta brasileiro

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.01.18 18h00 » Antonio Oliveira
16.01.18 17h45 » Dílson Lages Monteiro
14.01.18 17h56 » Cid Corman
12.01.18 17h25 » Leila Míccolis
10.01.18 18h46 » Hilde Domin
08.01.18 17h14 » Artur da Távola
06.01.18 18h28 » Fazil Hüsnü Daglarca
04.01.18 18h52 » José Gorostiza
02.01.18 18h41 » Yona Wallach
31.12.17 18h00 » Paulo Scott
29.12.17 19h00 » Ralph Waldo Emerson
27.12.17 18h55 » Sérgio Sampaio
25.12.17 19h00 » Helena W. S.
23.12.17 19h00 » J. Emílio-Nelson
21.12.17 19h00 » Álvaro Pacheco
19.12.17 19h00 » Mazisi Kunene
17.12.17 18h54 » Rupi Kaur
15.12.17 19h00 » Nicanor Parra
13.12.17 19h00 » Anne Ellen
11.12.17 17h49 » Ismar Tirelli Neto

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet