POESIA

Ismar Tirelli Neto

 

O Pulôver

Este é meu pulôver favorito
sem um retrato
do meu pulôver favorito.
Roçam-se os puídos no trem,
caminho do trem,
parado no cabideiro.

Parado no cabideiro
(ponto
de onde não se pode mais recuar
sem resvalar-se pela metafísica)
ele não faz
vagão,
rampas de concreto
do outono para o inverno,
nada.

 

Parado no cabideiro,
o pulôver não é senão
uma trama, uma entre tantas.

 

Neste pormenor, lembra um pouco
uma valise prateada
que me pediram certa vez para olhar.

 

Sob os pés de outra pessoa,
já não sei que cor teria.

 

Desnecessário dizer.
Desnecessário dizer.

 

Ismar Tirelli Neto, poeta brasileiro

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.04.18 18h40 » Kobayashi Issa
16.04.18 18h30 » Giorgio Caproni
14.04.18 18h00 » Natalino Ferreira Mendes
12.04.18 17h00 » Alan Lidugero
10.04.18 18h00 » Pedro Salinas
08.04.18 17h23 » Chairil Anwar
06.04.18 18h00 » Primo Levi
04.04.18 18h00 » Alexandre Guarnieri
02.04.18 19h00 » Ana Santos
29.03.18 18h00 » Geir Gulliksen
27.03.18 18h30 » Marta Braier
25.03.18 17h20 » Zang Kejia
23.03.18 17h30 » Claude MacKay
21.03.18 17h30 » Bo Carpelan
19.03.18 17h30 » Ronald de Carvalho
17.03.18 17h30 » Salah Niazi
15.03.18 17h30 » Tomas Venclova
13.03.18 17h30 » Eduardo Lizalde
11.03.18 17h22 » José Paulo Paes
09.03.18 17h30 » Kurti Marti

Agenda Cultural

  • Em Cartaz:
  • 9º Encontro Indígena
  • Dia: 17 de abril
  • Local: Museu de História Natural - Casa Dom Aquino
  • Informações: 3634 4858
Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet