POESIA

Ismar Tirelli Neto

 

O Pulôver

Este é meu pulôver favorito
sem um retrato
do meu pulôver favorito.
Roçam-se os puídos no trem,
caminho do trem,
parado no cabideiro.

Parado no cabideiro
(ponto
de onde não se pode mais recuar
sem resvalar-se pela metafísica)
ele não faz
vagão,
rampas de concreto
do outono para o inverno,
nada.

 

Parado no cabideiro,
o pulôver não é senão
uma trama, uma entre tantas.

 

Neste pormenor, lembra um pouco
uma valise prateada
que me pediram certa vez para olhar.

 

Sob os pés de outra pessoa,
já não sei que cor teria.

 

Desnecessário dizer.
Desnecessário dizer.

 

Ismar Tirelli Neto, poeta brasileiro

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado
03.07.18 18h00 » Rumen Stoyanov
01.07.18 18h00 » Ana Cecília de Sousa Bastos
29.06.18 17h52 » Bartyra Soares
27.06.18 18h00 » Georg Trakl
25.06.18 18h00 » May Ayim
23.06.18 18h00 » Eugenio Montaje
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins
07.06.18 18h00 » Tove Jansson

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet