POESIA

Álvaro Pacheco

Autobiografia 

Há quarenta e tantos anos
meu pai pensou que eu ia nascer:
mas quem nasceu foi meu irmão mais velho
que hoje sofre de velhice e da doença de não saber de nada.

A esperança é branca
a morte é negra
o amor é pobre
a vida é fugaz

(eu sou arco-íris)
que nasceu dezesseis anos depois
calvo, sozinho, branco e preto,
às vezes no mundo vinte e tantos anos depois.

 

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br


Álvaro Pacheco, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.01.18 18h00 » Antonio Oliveira
16.01.18 17h45 » Dílson Lages Monteiro
14.01.18 17h56 » Cid Corman
12.01.18 17h25 » Leila Míccolis
10.01.18 18h46 » Hilde Domin
08.01.18 17h14 » Artur da Távola
06.01.18 18h28 » Fazil Hüsnü Daglarca
04.01.18 18h52 » José Gorostiza
02.01.18 18h41 » Yona Wallach
31.12.17 18h00 » Paulo Scott
29.12.17 19h00 » Ralph Waldo Emerson
27.12.17 18h55 » Sérgio Sampaio
25.12.17 19h00 » Helena W. S.
23.12.17 19h00 » J. Emílio-Nelson
21.12.17 19h00 » Álvaro Pacheco
19.12.17 19h00 » Mazisi Kunene
17.12.17 18h54 » Rupi Kaur
15.12.17 19h00 » Nicanor Parra
13.12.17 19h00 » Anne Ellen
11.12.17 17h49 » Ismar Tirelli Neto

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet