POESIA

Fazil Hüsnü Daglarca

 

A Meu Deus*

 

Hoje também temos céu alto,
Dou conta: mais nenhum astro ficou.
Os homens voltam ao trabalho,
Dou conta: já o sol se levantou.

 

De novo a água virou luz;
Nas flores penetrou a claridade.
A flor abriu, tal como ontem fez,
Vento amornado há, manhã e tarde.

 

Sempre escápamos à maldição da noite;
As casas vestem moldes conhecidos.
Uma vez mais há mar azul
E alguns barcos zarparam atrevidos.

 

O tempo, eterno e vago, entra em cheio
Pelas cortinas, qual saudação.
Amarelece a espiga já madura
E o soldado vai à instrução.

 

Hoje também temos céu alto,
Dou conta: as aves voam. E a crescer,
Por trás deste silêncio mais profundo,
Dou conta: o coração me está a bater.

 

*Reproduzido de http://nothingandall.blogspot.com.br, tradução de Doina Zugravescu

 

Fazil Hüsnü Daglarca (1914-2008), poeta da Turquia


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins
07.06.18 18h00 » Tove Jansson
05.06.18 17h17 » José Araújo
03.06.18 18h00 » Ataol Behramoglu
01.06.18 17h20 » João Apolinário
30.05.18 18h00 » Luis Cernuda
28.05.18 17h45 » Novalis
26.05.18 17h56 » Corsino Fortes
24.05.18 17h45 » Amauri Lobo
22.05.18 18h00 » Dante Milano
20.05.18 17h41 » Itamar Assumpção
18.05.18 17h34 » Dick Marques
16.05.18 18h00 » Haydar Ergulen
14.05.18 18h00 » Reiner Kunze
12.05.18 18h00 » Maria Balé

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet