POESIA

Dílson Lages Monteiro

 

Na tarde de Teresina o vapor das ruas
Tem o hálito quente da mulher ardente
E queima o corpo de suor e volúpia

 

Em um horizonte só de luz
Que palavra define a linha do equador?

 

Muros pintados de única cor
Tetos cobertos pelo mesmo raio
Tudo amarelo, fumaça e verão.

 

Verão os ventos o tempo pasmo de padecer?

 

A moça passa a mão na nuca
E onde mais a pele mina
As gotas da cidade fervem
O clima de sua  estação

 

Bancos de areia no rio doente
Aguapés acenando sujeiras
Árvores paradas  em sufoco e calor
Do outubro que se vai indesejado e feroz.

 

Reproduzido de http://www.portalentretextos.com.br

 

 

Dílson Lages Monteiro, poeta brasileiro

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.08.18 18h00 » Andrei Dosa
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha
08.08.18 18h00 » Alberto da Cunha Melo
06.08.18 18h00 » Luís Avelima
04.08.18 18h00 » Alfredo Rossetti
02.08.18 18h40 » Néia Gesualdi
31.07.18 18h00 » Libério Neves
29.07.18 18h00 » Gabriela Clara Pignataro
27.07.18 18h00 » Konstantin Balmont
25.07.18 18h00 » Paulo Sabladovsk
23.07.18 18h00 » Ángel González
21.07.18 18h27 » Alexandre França
19.07.18 18h00 » Jules Laforgue
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet