POESIA

Carlos Pena Filho

Testamento do Homem Sensato*

 

Quando eu morrer, não faças disparates
nem fiques a pensar: Ele era assim…
Mas senta-te num banco de jardim,
calmamente comendo chocolates.

Aceita o que te deixo, o quase nada
destas palavras que te digo aqui:
Foi mais que longa a vida que eu vivi,
para ser em lembranças prolongada.

Porém, se um dia, só, na tarde em queda,
surgir uma lembrança desgarrada,
ave que nasce e em voo se arremeda,

deixa-a pousar em teu silêncio, leve
como se apenas fosse imaginada,
como uma luz, mais que distante, breve.

 

*Reproduzido de https://www.traco-freudiano.org

 

Carlos Pena Filho (1929-1960), poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.09.18 16h00 » Benjamin Sanches
21.09.18 18h00 » Bruna Mitrano
19.09.18 18h00 » John Ashbery
17.09.18 17h00 » Marcos Quinan
14.09.18 18h00 » Marcelo Sandmann
12.09.18 17h00 » Natalia Barros
10.09.18 17h00 » Mauro Salles
07.09.18 18h00 » Max Jacob
05.09.18 18h00 » Eduardo Lacerda
03.09.18 17h23 » Lívia Bertges
31.08.18 17h00 » Jennifer Franklin
29.08.18 17h27 » Sergio Cohn
27.08.18 17h00 » Jorge Medauar
24.08.18 17h48 » Edimilson Almeida
22.08.18 18h00 » Maria Lúcia Dal Farra
20.08.18 18h00 » Tiago Malta
17.08.18 18h00 » Juliana Bernardo
15.08.18 18h00 » Andrei Dosa
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet