POESIA

Bo Carpelan

Outono*

 

O outuno é a minha estação.
Os dias transparentes, os cinzentos crepusculares,
os caminhos inundados de água,
a suave névoa.
Não exijas nada, não prometas demasiado.
Ainda assim: há um cheiro a cadáver nas folhas que ardem,
podridão no feno,
gelo no barro,
um vazio nos grandes ventos
como mortalhas e velas.
Tudo morto, tudo se apagando, tudo quieto:
esta sensação não chegou demasiado cedo,
como uma sombra,
uma pedra, polida, depositada sobre os dias de junho?

 

*Reproduzido de http://amadeubaptista.blogspot.com.br, tradução do próprio

Bo Carpelan (1926-2011), poeta da Finlândia


Voltar  

Confira também nesta seção:
19.07.18 18h00 » Jules Laforgue
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado
03.07.18 18h00 » Rumen Stoyanov
01.07.18 18h00 » Ana Cecília de Sousa Bastos
29.06.18 17h52 » Bartyra Soares
27.06.18 18h00 » Georg Trakl
25.06.18 18h00 » May Ayim
23.06.18 18h00 » Eugenio Montaje
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet