POESIA

Claude MacKay

Se Havemos de Morrer*

 

Se havemos de morrer, que não seja como porcos,
caçados e encurralados em um lugar inglório,
enquanto à nossa volta ladram os cães feros e famintos
a enunciar achincalhes ao nosso maldito destino.
Se havemos de morrer, que morramos nobremente,
para que não se derrame o nosso precioso sangue
em vão; que até mesmo os monstros que desafiamos
sejam forçados a honrar-nos se estivéssemos mortos!
Oh, irmãos! Lutemos contra o nosso mesmo inimigo!
Embora sejamos em menor número, mostremo-nos bravos,
e contra seus mil golpes revidemos com um só mortal!
Que importa se já nos aguarda a tumba aberta?
Enfrentemos como homens a assassina e covarde matilha,
e, contra a parede, morramos, porém lutando.


*Reproduzido de https://blogdocastorp.blogspot.com.br

 

Claude MacKay (1889-1948), poeta da Jamaica


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.09.18 16h00 » Benjamin Sanches
21.09.18 18h00 » Bruna Mitrano
19.09.18 18h00 » John Ashbery
17.09.18 17h00 » Marcos Quinan
14.09.18 18h00 » Marcelo Sandmann
12.09.18 17h00 » Natalia Barros
10.09.18 17h00 » Mauro Salles
07.09.18 18h00 » Max Jacob
05.09.18 18h00 » Eduardo Lacerda
03.09.18 17h23 » Lívia Bertges
31.08.18 17h00 » Jennifer Franklin
29.08.18 17h27 » Sergio Cohn
27.08.18 17h00 » Jorge Medauar
24.08.18 17h48 » Edimilson Almeida
22.08.18 18h00 » Maria Lúcia Dal Farra
20.08.18 18h00 » Tiago Malta
17.08.18 18h00 » Juliana Bernardo
15.08.18 18h00 » Andrei Dosa
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet