POESIA

Marta Braier

Noturno*

“?... ouves? Alguém chora pela maldade do mundo.” (Antonio Tabuchi)

 

 

                   Alguém chora
enquanto escrevo este poema

 

Não é o rumor da água
nem o vento entre as folhas

 

      um ramo no rio à deriva

 

e o poema pergunta e pergunta
a amena lâmpada acendida

 

   mas sei da luz que se apaga

 

Alguém chora
e nada deixa de acontecer

 

         um ramo no rio à deriva

 

 

*Reproduzido de http://www.antoniomiranda.com.br, com tradução do mesmo

 

Marta Braier, poeta da Argentina


Voltar  

Confira também nesta seção:
10.12.18 14h00 » Juana de Ibarbourou
07.12.18 19h30 » Nydia Bonetti
05.12.18 18h00 » Oskar Pastior
03.12.18 11h00 » Marô Barbieri
30.11.18 18h00 » Lia Macruz
28.11.18 17h00 » Pedro Tiago
26.11.18 13h00 » Marize Castro
23.11.18 19h00 » Ramon Nunes Mello
21.11.18 18h00 » Thiago E.
19.11.18 11h00 » Elias José
16.11.18 19h00 » Lou Viana
14.11.18 18h00 » André Ladeia
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge
26.10.18 19h00 » Fernando José Karl

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet