POESIA

Ana Santos

Medo

 

É mínima a tesoura
que corta o fio da vida.
Por isso meus olhos
abertos no escuro.
Visito os quartos
dos que amo
para ver se respiram.

O sol surpreende as faces
mudando
nos espelhos.

Eu ando como quem leva
flores ou um bolo:
medo
de pés que pisem
cerejas, pétalas,
de pedra que desfaça
meu retrato nas vitrines:
“Mulher tremendo na tarde”.

 

*Reproduzido de http://www.algumapoesia.com.br


Ana Santos, poeta brasileira

(por motivos indesejados, o Tyrannus não foi atualizado no último sábado (31)... aceitem o nosso pedido de desculpas e agradecemos pela sua visita nesta nova edição)

 


Voltar  

Confira também nesta seção:
24.09.18 16h00 » Benjamin Sanches
21.09.18 18h00 » Bruna Mitrano
19.09.18 18h00 » John Ashbery
17.09.18 17h00 » Marcos Quinan
14.09.18 18h00 » Marcelo Sandmann
12.09.18 17h00 » Natalia Barros
10.09.18 17h00 » Mauro Salles
07.09.18 18h00 » Max Jacob
05.09.18 18h00 » Eduardo Lacerda
03.09.18 17h23 » Lívia Bertges
31.08.18 17h00 » Jennifer Franklin
29.08.18 17h27 » Sergio Cohn
27.08.18 17h00 » Jorge Medauar
24.08.18 17h48 » Edimilson Almeida
22.08.18 18h00 » Maria Lúcia Dal Farra
20.08.18 18h00 » Tiago Malta
17.08.18 18h00 » Juliana Bernardo
15.08.18 18h00 » Andrei Dosa
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet