POESIA

Chairil Anwar

Eu*


Se chegar a minha hora,
Não quero que ninguém fique triste,
Nem que saiba tampouco.

Não vale a pena lamentar.

Sou um animal selvagem,
Fora do bando.

Embora a bala me tenha perfurado a pele,
Permaneço enraivecido para atacar de novo.

O ferimento, o veneno, me obriga a fugir,
Fugir...
Até que desapareça tão doloroso acontecimento.

E não mais me preocuparei,
Quero viver mil anos mais.

 

*Reproduzido de http://poesiacontraaguerra.blogspot.com.br , do livro "Babel de poemas: uma antologia multilíngüe" (L&PM)

 

Chairil Anwar (1922-1949), poeta da Indonésia


Voltar  

Confira também nesta seção:
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado
03.07.18 18h00 » Rumen Stoyanov
01.07.18 18h00 » Ana Cecília de Sousa Bastos
29.06.18 17h52 » Bartyra Soares
27.06.18 18h00 » Georg Trakl
25.06.18 18h00 » May Ayim
23.06.18 18h00 » Eugenio Montaje
21.06.18 18h00 » Lya Luft
19.06.18 18h00 » Rolando Toro
17.06.18 18h00 » Gyula Illyés
15.06.18 17h53 » Guapo
13.06.18 18h00 » Aglaja Veteranyi
11.06.18 18h00 » Prisca Agustoni
09.06.18 17h59 » Miguel Martins
07.06.18 18h00 » Tove Jansson

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet