POESIA

Janete Manacá

Antigo lar*

           À vovó paterna Florinda Maria de Jesus, com amor

 

Jorram das minhas artérias
Águas doces e salgadas
Em harmonia com o tempo


Vou tecendo novos caminhos
Com fios de esperança em movimento
E a alma a repousar em silêncio


Quando a saudade derrubar meu pranto
Volto à roda para bordar um manto
Expulsar desencantos e me purificar


E quando meu corpo não mais se sustentar
Com os pés sangrando de tanto bailar
Libertem minhas asas para eu poder voar


Mas se um dia a escuridão chegar
No útero de Gaia quero repousar
E renascer, enfim, nas águas do antigo lar

 

*Poema reproduzido do livro "Deusas Aladas"


Janete Manacá, poeta brasileira


Voltar  

Confira também nesta seção:
13.08.18 18h00 » António Osório
10.08.18 18h00 » Alécio Cunha
08.08.18 18h00 » Alberto da Cunha Melo
06.08.18 18h00 » Luís Avelima
04.08.18 18h00 » Alfredo Rossetti
02.08.18 18h40 » Néia Gesualdi
31.07.18 18h00 » Libério Neves
29.07.18 18h00 » Gabriela Clara Pignataro
27.07.18 18h00 » Konstantin Balmont
25.07.18 18h00 » Paulo Sabladovsk
23.07.18 18h00 » Ángel González
21.07.18 18h27 » Alexandre França
19.07.18 18h00 » Jules Laforgue
17.07.18 18h00 » Armando da Silva Carvalho
15.07.18 18h15 » Lélia Rita de Figueiredo Ribeiro
13.07.18 17h51 » Patrícia Lavelle
11.07.18 18h00 » Kori Bolivia
09.07.18 18h00 » Fernando Assis Pacheco
07.07.18 18h00 » Nelson Maca
05.07.18 18h00 » Carlos Machado

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet