POESIA

Guapo

A Última Gota

 

Nasci no fundo do tempo
Tudo que palpita vida...
Nasceu de mim...
Compadeço da alegria excessiva
Até a tristeza profunda
Sou tênue como
A gota do orvalho
Também sou muito forte
Como o jorro da cachoeira
Participo em tudo que se movimenta
Do sangue até as nuvens
Por isso faço nas veias da terra
Minha principal manifestação, os rios.
Onde buscam em mim
Energia, comida, bebida, lazer...
E devolvem...
Parte minha deteriorada e maltratada...
Estou pensando...
De onde sairá minha última gota...
Espero que não seja dos seus olhos,
Lamentando a minha morte.


Guapo - Milton Pereira de Pinho, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
18.02.19 14h30 » Luís Pimentel
15.02.19 19h00 » Thomas Moore
13.02.19 16h40 » Esteban Moore
11.02.19 13h00 » Andreas Embirikos
08.02.19 20h00 » Timur Bék
06.02.19 18h00 » Reinaldo Ferreira
04.02.19 12h00 » Frank Bidart
01.02.19 20h00 » José Amâncio
30.01.19 18h20 » Júlio Custódio
28.01.19 12h00 » Sylvio Back
25.01.19 20h00 » Carol Ann Duffy
23.01.19 18h00 » Raymond Queneau
21.01.19 12h00 » Simin Behbahani
18.01.19 20h00 » H. C. Artmann
16.01.19 18h00 » Marina Rabelo
14.01.19 16h00 » Ana Blandiana
11.01.19 18h00 » Gil T. Sousa
09.01.19 18h00 » Drago Stambuk
07.01.19 17h00 » Edson Falcão
05.01.19 00h12 » Gianni Rodari

Agenda Cultural

Veja Mais

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet