POESIA

Guapo

A Última Gota

 

Nasci no fundo do tempo
Tudo que palpita vida...
Nasceu de mim...
Compadeço da alegria excessiva
Até a tristeza profunda
Sou tênue como
A gota do orvalho
Também sou muito forte
Como o jorro da cachoeira
Participo em tudo que se movimenta
Do sangue até as nuvens
Por isso faço nas veias da terra
Minha principal manifestação, os rios.
Onde buscam em mim
Energia, comida, bebida, lazer...
E devolvem...
Parte minha deteriorada e maltratada...
Estou pensando...
De onde sairá minha última gota...
Espero que não seja dos seus olhos,
Lamentando a minha morte.


Guapo - Milton Pereira de Pinho, poeta brasileiro


Voltar  

Confira também nesta seção:
16.11.18 19h00 » Lou Viana
14.11.18 18h00 » André Ladeia
12.11.18 16h00 » Karin Boye
09.11.18 19h00 » Marcelino dos Santos
07.11.18 18h00 » Albert Ehrenstein
05.11.18 16h00 » Halina Poswiatowska
02.11.18 18h00 » Cintio Vitier
31.10.18 17h44 » Adri Aleixo
29.10.18 17h00 » Francis Ponge
26.10.18 19h00 » Fernando José Karl
24.10.18 18h00 » Nicodemos Sena
22.10.18 17h00 » Charles Simic
19.10.18 18h46 » Mario Angel Quintero
17.10.18 18h00 » Geruza Zelnys
15.10.18 17h00 » Filipa Leal
12.10.18 18h39 » Javier Ávila
10.10.18 17h00 » Nelly Sachs
08.10.18 17h00 » Rosana Chrispim
05.10.18 17h00 » António Ramos Rosa
03.10.18 17h00 » Eileen Myles

Agenda Cultural

Veja Mais

Últimas Notícias

Mais Notícias

Newsletter

Preencha o formulário abaixo para receber nossa newsletter:

  • Nome:

  • Email:

  • assinar

  • cancelar


Copyright © 2012 Tyrannus Melancholicus - Todos os direitos reservadosTrinix Internet